Por causa do curto intervalo entre as duas partidas da semana, o treinador do Corinthians escalou contra o Ituano apenas quem não foi titular na derrota para o Tijuana

Tite já havia chamado de "desumano e ilegal" o jogo contra o Ituano neste sábado, pois o Corinthians atuou na fronteira mexicana com os Estados Unidos na última quarta-feira, pela Copa Libertadores. Nem a vitória alvinegra por 3 a 2, no finalzinho, controlou as reclamações do treinador, ainda mais fortes após a partida.

E mais: Corinthians marca no fim e volta a vencer no Paulistão após cinco partida

Corinthians bateu o Ituano no encharcado Pacaembu: 3 a 2
FERNANDO DANTAS / Gazeta Press
Corinthians bateu o Ituano no encharcado Pacaembu: 3 a 2

Depois de elogiar a Federação Mineira, que mudou a tabela do Estadual por causa da participação do Atlético-MG na Libertadores, o gaúcho passou a criticar a Federação Paulista, "que não teve o mínimo de bom-senso". De volta na sexta de Tijuana - cinco horas atrás do horário de Brasília -, ele disse ter acordado no sábado sem noção do tempo. "Não trabalhei nas minhas melhores condições. Não parei de tomar café".

Veja: Emerson Sheik diz que nunca viveu fase tão ruim e promete volta por cima

O técnico, então, usou a palavra "incompetência" antes de questioná-la, lembrando que há interesses, como os da televisão, que vão além da condição física dos atletas. "Quero acreditar que seja incompetência de quem programa os jogos, de quem não viu a viagem que fizemos. Quero crer que não seja o aspecto financeiro, de grade (de programação)", acrescentou.

Por causa do curto intervalo entre as duas partidas da semana, Tite escalou contra o Ituano apenas quem não foi titular na derrota para o Tijuana. Ele lembrou ser formado em educação física para apontar os problemas decorrentes da maratona e se permitiu apenas iniciar a partida com Alexandre Pato - que pediu para ser relacionado - no banco de reservas.

Em uma entrevista na qual pouco falou propriamente do triunfo do Corinthians, ocorrido minutos antes, o comandante falou ainda em "falta de critério e falta de respeito". Segundo o gaúcho, a Federação Paulista deveria ter a mesma conduta com seus três representantes na Libertadores, Timão, São Paulo e Palmeiras.

Já a diretoria alvinegra, sem tirar a razão do treinador, procurou mostrar compreensão com a FPF, apontando a falta de datas para o jogo no caso de adiamento. Duílio Monteiro Alves, diretor adjunto de futebol, pediu apenas um calendário mais bem pensado para as próximas temporadas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.