Técnico do Fluminense disse que não se sente pressionado pelo risco de demissão, após os últimos resultados da equipe

Sem o meio-campista Thiago Neves e o atacante Fred, que foram poupados por desgaste muscular e permaneceram na academia das Laranjeiras, o Fluminense voltou aos trabalhos na manhã desta sexta-feira, com treino físico puxado para os reservas e atividades mais leves para os titulares. Enquanto os atletas corriam ao redor do gramado, o técnico Abel Braga ficou conversando com Rodrigo Caetano e Sandro Lima, homens fortes do futebol tricolor.

Abel Braga acompanha clássico entre Botafogo e Fluminense no Engenhão
O Dia
Abel Braga acompanha clássico entre Botafogo e Fluminense no Engenhão

Mesmo eliminado nas semifinais da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca, e com campanha de duas vitórias, um empate e uma derrota na primeira fase da Copa Libertadores, o treinador não se sente com o cargo ameaçado. "Absolutamente tranquilo", o atual campeão brasileiro apenas observou os exercícios de velocidade que tiveram como destaque os condicionamentos físicos de Felipe, Elivélton, Monzón e Samuel.

"Estou absolutamente tranquilo. Nunca me senti pressionado e sempre superei muita coisa na minha vida, sou um vencedor. Sempre convivi bem com a pressão, com a vaia, com a crítica. Quero mais conquistas. Sou obcecado por títulos, por vitórias. Tem o segundo turno do Carioca, a Libertadores, o Brasileiro... vai dar? Isso são outros quinhentos. Mas temos time, temos grupo e vamos trabalhar para alcançar isso", contou Abel Braga, otimista por uma sequência de temporada superior.Fora do Carioca, o Fluminense ficará 11 dias sem jogos oficiais, apenas treinando até o dia 17, quando recebe o Audax na abertura da Taça Rio. Por esse motivo, o comandante preferiu dar ênfase à parte física. Sob sol forte, o zagueiro Leandro Euzébio, retornando de lesão, realizou trabalhos específicos ao lado dos titulares do empate por 1 a 1 contra o Huachipato. Pela Libertadores, o Flu volta a campo em 10 de abril, para visitar o Grêmio.

"O desgaste mental que nós tivemos pela queda contra o Vasco, depois a viagem para o Chile e a vitória, isso amenizou um pouco. Agora também vamos trabalhar de igual para igual. Tenho algumas coisas na cabeça, de repente, se resolver fazer, uma ou outra mudança pode acontecer", confirmou o treinador, pensando no trabalho a longo prazo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.