Nobre diz que organizadas afastam jogadores e enaltece postura de Valdivia

Por Bruno Winckler -iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente do Palmeiras diz que, apesar da violência, nenhum jogador pediu pra deixar o clube paulista

Gazeta Press
Paulo Nobre, presidente do Palmeiras

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, lamentou mais um incidente violento envolvendo torcidas organizadas do clube. Em coletiva na Academia de Futebol, ele disse que a cada jogador agredido do elenco, ele e sua diretoria têm mais dificuldades para contratar bons atletas.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores 

"Muitos jogadores não querem vir jogar aqui e só aceitam depois de colocar um sobrepreço no salário para compensar", disse Nobre. "Esses bandidos só atrapalham com essas atitudes. No ano passado perdemos mando de jogos importantes por causa disso e ficou claro como essa situação atrapalhou a equipe", disse Nobre, lembrando do rebaixamento para a Série B em 2012, quando o Palmeiras jogou algumas partidas fora da capital, longe de sua torcida. 

Leia mais: Com Jorge Sampaoli, Valdivia volta a ser chamado para a seleção do Chile

Mesmo ciente da dificuldade de manter o elenco tranquilo, após mais um incidente de violência, Nobre valorizou a postura dos jogadores depois do goleiro Fernando Prass ter sido ferido em confronto com os torcedores. Segundo o presidente palmeirense, nenhum atleta pediu para deixar o clube, mesmo com as ameaças. " Prass não pediu para deixar o clube e continuar defendendo o Palmeiras com o mesmo afinco de sempre”.

Kleber é derrubado em lance de Tigre e Palmeiras na Argentina. Foto: Victor R. Caivano/APGilson Kleina reclama de oportunidade perdida por Kleber, pouco antes do gol do Tigre . Foto: Victor R. Caivano/APPeñalba marca o gol da vitória do Tigre sobre o Palmeiras. Foto: Victor R. Caivano/APJogadores do Tigre comemoram o gol de Peñalba, marcado aos 49 minutos do 2º tempo. Foto: Victor R. Caivano/APValdivia tenta o drible, mas é desarmado por Martin Galmarini do Tigre . Foto: Victor R. Caivano/APMartin Galmarini marca Vinícius na partida entre Tigre e Palmeiras na Argentina. Foto: Victor R. Caivano/APKleber no chão reclama da marcação dura dos zagueiros argentinos. Foto: Victor R. Caivano/APValdivia tentou bastante, mas não foi capaz de superar a defesa argentina. Foto: Victor R. Caivano/AP

Segundo relato de funcionários do Palmeiras que estavam no aeroporto, local do confrotno, cerca de 20 membros da Mancha Alviverde cercaram os jogadores para cobrá-los. O alvo principal era Valdivia, a segurança conseguiu proteger o elenco, mas uma xícara de vidro foi atirada contra a parede onde estavam os jogadores e um estilhaço acertou Prass, que teve cortes na cabeça e na orelha. 

Confira ainda: Integrantes de organizada agridem atletas do Palmeiras; Prass fica ferido

"Sobre Valdivia eu só tenho que elogiar a atitude dele nesse ano. No carnaval, quando todos diziam que ele sairia em bloco e iria para o desfile, ele ficou se tratando. Ele foi nos jogos, mesmo sem poder jogar, só para acompanhar os companheiros. Ontem ele teve uma atitude exemplar em campo. Ele está motivado e tem total apoio da diretoria", comentou Nobre.

Nobre contou que Valdia foi o jogador mais xingado pela torcida palmeirense, antes mesmo do inicio da partida. "Ele não tem sangue de barata e não pode responder às provocações,  tem que se segurar, mas reitero, o Valdivia tem 100% do nosso apoio".

Leia tudo sobre: palmeiraspaulo nobreigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas