Antonio Patriota, ministro das Relações Exteriores, pediu pleno direito de defesa aos torcedores que estão detidos em Oruro desde o último dia 20 de fevereiro

Morales conversou com o ministro Antonio Patriota
AP
Morales conversou com o ministro Antonio Patriota

A situação dos 12 torcedores do Corinthians presos na Bolívia chegou às reuniões entre autoridades de Brasil e Bolívia. O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reuniu-se neste sábado com o presidente vizinho, Evo Morales, e abordou o episódio envolvendo os alvinegros.

Deixe seu comentário para esta notícia

O encontro, que contou também com outras autoridades bolivianas, estava agendado para que fossem tratados outros assuntos, como a defesa das fronteiras e o combate ao tráfico de drogas, mas Patriota aproveitou para pedir boas condições aos brasileiros.

San José quer amistoso com Corinthians para ajudar família de Kevin

"Eu falei às autoridades bolivianas sobre a importância de garantir pleno direito de defesa aos brasileiros e condições dignas no cárcere", afirmou o ministro, depois dos encontros.Os 12 torcedores estão presos há dez dias, desde que o boliviano Kevin Beltrán Espada, de 14 anos, morreu ao ser atingido por um sinalizador, disparado no setor em que estavam os corintianos, no jogo do Timão contra o San José, em Oruro, pela Copa Libertadores.

Corintianos pedem liberdade de presos de Oruro em frente a Consulado da Bolívia

Nesta semana, um menor de idade assumiu a autoria do disparo, em depoimento prestado na Vara da Infância e Juventude de Guarulhos. Mas a confissão não mudou até agora a situação dos torcedores detidos.

"O governo brasileiro quer cooperar com a Bolívia para determinar as responsabilidades", completou Patriota, depois da reunião na cidade de Cochabamba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.