Federação Paulista divulgou resolução que entra em vigor nesta quarta e é válida somente para partidas organizadas pela entidade

A morte do torcedor boliviano Kevin Espada no empate por 1 a 1 entre Corinthians e San José pela Copa Libertadores trouxe consequências também ao Campeonato Paulista. O incidente na Bolívia motivou a FPF (Federação Paulista de Futebol) a tomar medidas severas e proibir a utilização de fogos e sinalizadores nos estádios, com penas que podem chegar a R$ 100 mil e perda de até 15 mandos de campo.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Mauro Marcelo de Lima e Silva, presidente do TJD/SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo), anunciou que o árbitro deve interromper a partida quando presenciar o uso de fogos ou sinalizadores nos estádios de São Paulo. Assim que ver a utilização do artefato, o juiz deve comunicar o delegado da partida e o policiamento local para que sejam tomadas as providências.  

Leia mais:  Seis corintianos conseguem na Justiça o direito de assistir jogo no Pacaembu

Marco Polo Del Nero, presidente da FPF
Gazeta
Marco Polo Del Nero, presidente da FPF

"Os árbitros estão orientados, caso percebida a utilização de fogos e sinalizadores, imediata interrupção temporária da partida para comunicar os fatos ao delgado da partida e policiais”, disse Mauro Marcelo. "Perda de mando de 5, 10 ou 15 partidas, suspensão do clube. Não queremos que chegue a esse ponto”, completou Mauro Marcelo. Além disso, os times podem receber multas entre R$ 100 e R$ 100 mil reais pelo ocorrido.

De acordo com o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, dependendo da gravidade do caso, o árbitro pode até suspender o jogo. "O árbitro pode suspender. Isso cabe ao árbitro. O árbitro é soberano. Dentro de campo do jogo ele é soberano", afirmou Del Nero.

Após a partida, o árbitro deve relatar o ocorrido na súmula, indicando a torcida que praticou a ação e a mesma será julgada pela Procuradoria da Justiça Desportiva, no prazo máximo de dez dias depois do incidente, segundo o presidente do TJD.

A medida vale apenas para jogos realizados em São Paulo e organizados pela FPF, ou seja, partidas da Libertadores, organizadas pela Conmebol, não estão contidas nessa resolução. 

A Federação Paulista enviou a resolução para o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que pode seguir o mesmo caminho e adotar as medidas para os campeonatos nacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.