Hostilizado por torcedor, Tite reage e o chama de vagabundo

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Treinador do Corinthians afirma que levou cusparada e ouviu xingamento que fazia referência à morte de jovem boliviano

Assim que entrou no gramado do estádio Nabi Abi Chedid, Tite ouviu os primeiros xingamentos. Segundo o treinador do Corinthians, um torcedor do Bragantino atrás de seu banco de reservas cuspiu em sua direção durante todo o jogo e o xingou, fazendo referência à morte do boliviano Kevin Espada no jogo anterior do clube, pela Libertadores.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Levei um monte de cusparadas. É um vagabundo, sem vergonha, mau-caráter. Tem alguns mal resolvidos como pessoas. Mas sei que o Bragantino não é isso, são muito mais pessoas. O Bragantino não é esse vagabundo", repetiu o treinador, que já havia reclamado durante o jogo.

Leandro Oliveira, que esteve preso em Oruro e participou da briga no domingo, é o primeiro da esquerda para a direita. Foto: Daniel Rodrigo/ReutersKevin Douglas Beltran Espada, torcedor do San José morto por um artefato explosivo no jogo contra o Corinthians. Foto: Reprodução/FacebookCorintianos posam para fotos com bolivianos em presídio de Oruro, onde estão presos desde 20 de fevereiro. Foto: Daniel Rodrigo/ReutersOs 12 corintianos presos em Oruro. Eles são investigados pela morte de Kevin Beltrán Espada durante a partida entre Corinthians e San José. Foto: Daniel Rodrigo/ReutersMenor chega à Vara da Infância em Guarulhos. Foto: Gazeta PressJogadores de Corinthians e Bragantino respeitam um minuto de silêncio em homenagem ao garoto boliviano morto na quarta-feira. Foto: Gazeta PressOs torcedores corintianos foram transferidos para um presídio de Oruro. Foto: APCorpo do garoto Kevin Espada foi enterrado no sábado na cidade de Cochabamba. Foto: APFabio Santos defende que o Corinthians saia da Libertadores se tiver a certeza que isso acabará com a violência nos campos. Foto: Gazeta PressTorcida do San José usou fogo nas arquibancadas para apoiar o time contra o Corinthians. Foto: ReutersGuerrero e Ralf no Corinthians. Foto: APPoliciais são vistos nas arquibancadas de estádio de Oruro durante partida San Jose x Corinthians. Foto: APSaucedo comemora o gol de empate do San José contra o Corinthians. Foto: ReutersO atacante Jorge Henrique tenta passar pela marcação do San José em jogo da Libertadores na Bolívia. Foto: ReutersTite comanda Corinthians no empate com o San Jose na estreia na Libertadores. Foto: APEmerson e Jorge Henrique usam máscaras de oxigênio antes da partida do Corinthians contra o San José, em Oruro, a mais de 3.700m de altitude. Foto: Reprodução/InstagramRomarinho chega à Bolívia para a estreia do Corinthians na Libertadores. Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

"Eu falei com o quarto árbitro, pedi que me dessem condição de trabalhar. Condição é não levar cusparada e não ser ofendido na minha dignidade pessoal. Isso se estende a todos os corintianos, menos um", acrescentou o gaúcho, explicando que as ofensas eram relacionadas ao sinalizador que matou o garoto boliviano.

Tite chegou a fazer o seu já famoso gesto do "fala muito" antes de conceder sua entrevista e comprar mais uma briga. Enquanto ele respondia às perguntas no gramado do Nabi Abi Chedid, alguns torcedores, idosos e crianças na maioria, entraram no campo na tentativa de tirar fotos com o próprio técnico, no que foram atendidos.

Um deles, porém, ficou muito insatisfeito porque disse ter sido tratado com pouca educação por um segurança do Corinthians. O senhor, que afirma ser amigo do preparador físico Fábio Mahseredjian, teve a entrada barrada no vestiário e falou em alto tom de voz com o técnico.

"Você tem que falar para os seguranças serem mais educados", afirmou o homem. Tite respondeu com educação, mas defendeu o segurança e até se propôs a ajudar o torcedor, que se dizia corintiano e "gente humilde". "Eu também sou humilde. Se você pedir por favor, tudo ficará mais fácil", disse o técnico.

A reação foi de intransigência ainda maior, o que fez o treinador do Corinthians perder a paciência. "Bom, tudo bem. Estou querendo aqui intermediar a coisa, resolver a questão", lamentou Tite, que ainda posou para várias fotos e ouviu elogios por sua cordialidade antes de voltar ao vestiário.

*Com Gazeta

Leia tudo sobre: TiteCorinthiansCampeonato Paulista 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas