Meia chileno quer deixar para trás os problemas que passou na última temporada e diz que se preparou para uma mudança radical este ano

O meia Valdivia treinou normalmente nesta quarta-feira na Academia de Futebol do Palmeiras
Gazeta Press
O meia Valdivia treinou normalmente nesta quarta-feira na Academia de Futebol do Palmeiras

Valdivia desfalcou o Palmeiras em cinco dos nove jogos no ano e não atua desde o dia 3, quando levou pancada no empate com o XV de Piracicaba e machucou a coxa esquerda. Mas o meia, que voltou a treinar com o elenco nessa terça-feira e também participou do treinamento da quarta , garante que estará à disposição para enfrentar o União Barbarense no domingo e adota discurso de que 2013 será diferente, mesmo com a tristeza pela saída do amigo Barcos e independentemente da volta de Kleber, que também está no Grêmio.

Você acha que este ano finalmente Valdívia irá dar alegria aos palmeirenses? Opine

"Quero deixar em uma porta trancada os anos passado e retrasado. Agora quero pensar no presente e no futuro com muito trabalho, dedicação e comprometimento, tenho certeza de que vai dar certo neste ano", disse o chileno à TV Bandeirantes , alegando estar ciente da insatisfação de alguns torcedores por tantos desfalques desde seu retorno ao clube, em agosto de 2010.

Veja também: Valdivia treina normalmente e diz que entra em campo pelo Palmeiras domingo

"Tem torcedor que está até aqui comigo (falou colocando a mão na testa), mas tem muitos que confiam em mim. Por eles, por todos e principalmente por mim vou voltar a ser o jogador que todos querem. Que neste ano o torcedor possa definitivamente dizer que joguei futebol", apostou.

"Podem falar que no ano passado falei a mesma coisa, mas voltei totalmente diferente e me preparei para que isso realmente possa virar realidade. Estou consciente da responsabilidade que tenho. Estou tranquilo e muito feliz por ter mais uma chance aqui no Palmeiras. Percebi que é importante acompanhar o time no estádio mesmo sem jogar até para eu sentir que o grupo confia em mim, mas vou mostrar meu comprometimento dentro de campo, que é o mais importante", prosseguiu o camisa 10, que diz lamentar só a negociação de Barcos.

Leia também: Henrique se dispõe a jogar em qualquer posição para ajudar o Palmeiras

"A saída dele mexeu um pouco porque todos nós ficamos surpresos pela saída dele. Eu não esperava isso por ele ser o nosso capitão, nossa referência, nosso artilheiro no ano passado. Sinto a partida do Barcos porque ele é meu amigo, uma companhia, um apoio mútuo aqui dentro do Palmeiras. Eu tinha uma pessoa aqui para falar espanhol. Agora fiquei sozinho", comentou.

Vilson, Léo Gago, Leandro e Rondinelly, porém, vieram na troca pelo centroavante e já são aprovados. "Chegaram jogadores de muita qualidade que são gente finíssima, muito gente boa, se entrosaram muito rápido no grupo", falou Valdivia, a favor também do retorno do Gladiador. "Se o Kleber voltar, nós, jogadores, íamos adorar. É raçudo e tem uma qualidade que não se discute. Mas agora cabe à diretoria e ao treinador decidir se ele vem ou não. Torcemos para que a decisão seja a melhor, ele vindo ou não."

Na verdade, Valdivia, hoje, pensa mais em si mesmo. Até para voltar à seleção chilena, sua maior meta para 2013. "Não era migué. Neste ano estou com outra mentalidade, é diferente, tem a seleção com chance de jogar a Copa do Mundo aqui no Brasil. Para mim, seria maravilhoso. Espero que neste ano eu possa jogar, fazer de tudo para não me machucar e não passar mais tempo no departamento médico", imaginou, feliz pela saída da gestão de Arnaldo Tirone.

"Com o apoio do treinador e da diretoria que entrou, estou bastante tranquilo. No ano passado, cada vez que eu não jogava, era criticado por conselheiros e dirigentes, às vezes com razão e às vezes de graça. Quando o Palmeiras não ganhava, olhavam para o departamento médico e reclamavam que o Valdivia estava machucado. Mas neste ano, quando não joguei, o time ganhou e ninguém lembrou de mim", citou, garantindo tristeza pelo rebaixamento no Brasileiro.

"É muito estranho. Teve a conquista do Copa do Brasil, quando joguei mesmo com o problema do sequestro e fiz gol na semifinal e na final. Logo depois, a gente caiu e não joguei a última parte. Foi difícil para mim. Eu não podia jogar e vi a tristeza do torcedor, dos jogadores", falou Valdivia, que encerrou a liga nacional sem nenhum gol nem assistência.

* Com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.