Guilherme e Edenílson até preferem que o atacante recém-contratado seja o centro das atenções para trabalharem com mais calma

É óbvia a preocupação do Corinthians em colocar Alexandre Pato como mais um do elenco. A apresentação não fugiu do protocolo, Tite fez questão de tornar ainda mais Tite o seu discurso - e elogiar Emerson, o mais enciumado com o reforço de R$ 40 milhões -, mas não tem jeito: o novo camisa 7 ainda chama muito a atenção.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Nesta terça-feira, por exemplo, o Corinthians preferiu que Pato não fosse o entrevistado do dia no CT do Parque Ecológico. Em vez do atacante, que fará a sua estreia como titular na quarta, apareceram três jogadores que falaram muito sobre a força do grupo e a coerência do chefe. E sobre Pato.

Guilherme, substituto de Paulinho contra o Botafogo, disse não se incomodar com o barulho em torno do atacante. "Até prefiro que joguem a responsabilidade no homem, já que o nome dele é muito maior. Aí eu faço o meu papel quetinho", comentou o volante.

Edenílson seguiu a mesma linha de raciocínio. "A gente não tem essa vaidade. Se tiver essa vaidade, vou querer sair lá de trás e fazer gol. Deixe os atacantes fazerem os gols e aparecerem. O importante é a vitória", afirmou o agora lateral direito.

O próprio Pato ajuda. Ainda que atraia os holofotes por causa de sua qualidade, o jogador de 23 anos não é daqueles que adoram aparecer. Na última quarta-feira, ele foi ao Pacaembu assistir à vitória sobre o Mogi Mirim e teve o comportamento discreto elogiado por Tite.

"É isso que o Ralf falou", disse Edenílson, citando o outro operário escalado para conceder entrevista nesta sexta. "Já sabíamos da qualidade dele no futebol. E, no convívio diário aqui, ele mostrou o lado profissional e o lado humano. Acabamos o conhecendo mais, ele vai nos ajudar muito."

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.