Na opinião do defensor, o comportamento da torcida pode ser considerado natural, por conta da transferência do meia justamente para um rival

Agora no São Paulo, o meia Paulo Henrique Ganso foi recebido na Vila Belmiro com hostilidade pelos torcedores do Santos no clássico do domingo. Ele foi vítima de uma "chuva de moedas", que pode acarretar em uma punição pesada ao seu ex-clube, até mesmo com a perda de mandos de campo.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Mas, para o zagueiro santista Neto, uma possível punição mais rigorosa ao time seria um exagero. Isso porque o Santos pode ser indiciado no artigo 213 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva), que estabelece multa de até R$ 500 mil ao clube que "deixar de tomar providências capazes de prevenir ou reprimir desordens em sua praça de desportos". Fora isso, o Santos ainda pode perder mando de um a três jogos em razão deste episódio.

Na opinião do defensor, o comportamento da torcida pode ser considerado natural, por conta da transferência de Paulo Henrique Ganso justamente para um rival. "No meu ponto de vista é um exagero. Ninguém machucou o Ganso. Claro que ninguém gosta do que aconteceu, mas ele é um atleta que esteve aqui, foi ídolo da torcida e, nesse tipo de situação, as coisas acontecem. O torcedor não aceita muito bem a ida (de um ídolo) para o rival. Por isso, acho muito pesada uma punição de três jogos, como estão dizendo", afirmou Neto.

Sobre o tema, o zagueiro ainda minimizou o efeito que uma hipotética perda de mando possa ter no rendimento da equipe no Paulistão. "Jogaram moedas, mas não foi nele. Foi no campo. Ninguém atirou pedra. Mas, se isso (punição) acontecer, não vai nos atrapalhar. Claro que vamos sentir um pouco de falta da Vila, pois é a nossa casa, só que nós temos de vencer independentemente do campo que foi escolhido para jogar", concluiu.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.