Depois de 29 anos, time voltou a conquistar título tradicional da base do futebol brasileiro

Pela segunda vez na história, o Santos honrou suas tradicionais categorias de base e conquistou a Copa São Paulo de Futebol Júnior. No lotado estádio do Pacaembu, no dia do aniversário da cidade de São Paulo, o time da Baixada venceu o Goiás por 3 a 1 e repetiu 1984, que até então era o ano de seu único título da Copinha. Com direito a susto no início do segundo tempo, a torcida fez a diferença para deixar Liniker nervoso em cobrança de pênalti e determinar a conquista suada do time do técnico Claudinei Oliveira - "um orgulho que nem todos podem ter" e 25 mil viram no estádio mais charmoso da aniversariante capital paulista.

Depois de muita pressão, o Peixe abriu o placar aos 34 minutos do primeiro tempo, em cobrança de pênalti sofrido por Neílton e concluído por Pedro Castro. O ‘novo Neymar’, autor de três gols contra o Palmeiras, ainda marcou o segundo, aos 37. No início do segundo tempo, o baque. Arthur, acionado no intervalo, diminuiu, mas Liniker perdeu pênalti aos seis e viu o Santos retomar o controle da partida, aumentando com Giva.

Sob os olhares dos presidentes Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, do Santos, e José Maria Marin, da CBF, os Meninos da Vila ainda foram observados pela principal revelação das categorias de base do Santos nos últimos anos. Neymar esteve no Pacaembu para prestigiar o time que havia eliminado Palmeiras, Audax-SP, Grêmio Osasco, Náutico, Remo, São Mateus-ES e Corinthians Alagoano nas fases anteriores.

Responsável por eliminar o Bahia na semifinal, com direito a quatro defesas de pênalti do goleiro Paulo Henrique – duas no tempo normal e duas nas cobranças finais -, o Goiás fez sua melhor campanha da história da Copinha em 2013, superando 1991, quando chegou apenas às semifinais. O time do técnico Augusto César, ex-lateral do Corinthians, fez o artilheiro da competição: o atacante Erik, que já é esperado entre os profissionais.

Festa de Giva depois de marcar o terceiro gol do Santos diante do Goiás no Pacaembu
Gazeta Press
Festa de Giva depois de marcar o terceiro gol do Santos diante do Goiás no Pacaembu

O jogo
Nervosos pela primeira vez em que viram um estádio lotado e contra si na Copinha, os meninos do Goiás desperdiçaram muitos passes simples nos primeiros minutos de bola rolando, permitindo que o Santos dominasse a posse de bola e as ações. Os Meninos da Vila, mesmo com torcida a favor, demoraram a acertar o pé e esbarravam na própria ansiedade para abrir o placar.

Logo no primeiro minuto de jogo, Emerson Palmieri mostrou que seria um dos protagonistas do primeiro tempo – para o bem e, mais tarde, para o mal. Pela esquerda do ataque santista, o camisa 3 avançou e lançou para Leandrinho, que só perdeu a posse de bola por conta da forte marcação dos goianos que evitaram, também, uma infiltração de Alison no minuto seguinte.

O meio-campo móvel do time do Santos precisou aparecer para criar as chances no campo de ataque e iludir a marcação do Goiás. Com Léo Cittadini centralizado e Pedro Castro mais aberto pela direita, o time que lotou o Pacaembu tentou chegar na bola parada e principalmente com a bola no chão, aproveitando a habilidade de Neílton e o poder de conclusão de Giva.

Empreendendo ritmo forte, o Santos deixou seu gol maduro. Aos 12 minutos, Pedro Castro levantou a bola na área, a zaga do Goiás desviou na segunda trave, mas a bola ficou viva e Giva finalizou por cima da meta de Paulo Henrique. No contragolpe, Jarlan aproveitou uma falha de marcação de Emerson Palmieri para descer ao ataque e finalizar a primeira bola do Goiás, para boa defesa de Gabriel Gasparotto.

Depois de uma série de chances desperdiçadas, o Santos enfim abriu o placar aos 34 minutos, após pênalti sofrido por Neílton. Pedro Castro chamou a responsabilidade e executou a cobrança no meio do gol. Bom defensor de pênaltis, Paulo Henrique encostou na bola, mas não evitou a abertura de placar. Apenas três minutos se passaram até o herói da semifinal Neílton receber lançamento em profundidade e encobrir o goleiro do Goiás para anotar o segundo.

O segundo tempo reservou fortes emoções para o torcedor que ainda se ajeitava nas arquibancadas do Pacaembu depois do lanche do intervalo. Logo aos dois minutos, o meia Arthur, que havia entrado no lugar de Allef, recebeu em velocidade e estufou as redes de Gabriel Gasparotto. Menos de um minuto depois, Erik caiu na área e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, com pressão da torcida do Santos, Lineker errou o alvo e atirou pela linha de fundo.

O ímpeto do Goiás diminuiu e o Santos conseguiu aumentar sua vantagem aos 17 minutos, quando Pedro Castro conseguiu um desarme preciso na saída de bola do Goiás e acionou Giva, que bateu forte, na saída de Paulo Henrique, para tranquilizar o torcedor e principalmente o time. Nos minutos finais, o jogo foi disputado em ritmo ágil, mas as presenças de Neymar e Luis Alvaro no gramado para a entrega de medalhas não foi à toa: o Santos começou 2013 campeão.

FICHA TÉCNICA -  SANTOS 3 x 1 GOIÁS

Local : Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data : 25 de janeiro de 2013, sexta-feira
Horário : 10 horas (de Brasília)
Árbitro : Leonardo Ferreira Lima
Assistentes : Fabrício Porfilho de Moura e Marcos Rodrigues Monteiro
Cartões amarelos : Léo Cittadini, Leandrinho (Santos)
Cartão vermelho : Péricles (Goiás)
Público : 25.152 torcedores

GOLS : Santos - Pedro Castro, aos 34, e Neílton, aos 37 minutos do primeiro tempo. Giva, aos 17 minutos do segundo tempo ; Goiás - Arthur, aos 2 minutos do segundo tempo.

SANTOS : Gabriel Gasparotto; Alison, Jubal, Walace e Emerson Palmieri; Lucas Otávio, Leandrinho, Pedro Castro e Léo Cittadini (Paulo Ricardo); Neílton (Lucas Crispim) e Giva (Diego Cardoso)
Técnico : Claudinei Oliveira

GOIÁS : Paulo Henrique; Péricles, Felipe, Allef (Arthur) e Mário Sérgio; Túlio, Rodrigo, Liniker e Jarlan (Murilo); Paulo (Caio) e Erik
Técnico : Augusto César

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.