Kleina quer Luan como centroavante, mas atleta pode deixar Palmeiras nesta sexta

Por Gazeta |

compartilhe

Tamanho do texto

Técnico não gostaria de perder atacante, mas clima ruim com a torcida o fez pedir dispensa

AE
Luan quer sair do Palmeiras

Gilson Kleina não quer perder Luan, e cogita até usá-lo como centroavante para ficar menos exposto ao tentar e errar dribles nas pontas. Mas o camisa 11 está mesmo de saída do Palmeiras. O empresário do jogador, o ex-atacante Magrão, solicitou uma reunião na tarde desta sexta-feira que envolverá o técnico e o diretor executivo José Carlos Brunoro para definir seu destino.

Brunoro tem quatro ofertas pelo jogador, sendo que uma seria do Inter e outra do Atlético-MG. A do time mineiro, contudo, não agradou Kleina, que se recusa a trocar Luan por Nikão - e Cuca também não deseja se desfazer de seu jogador. Já Magrão alega ter uma proposta do Fluminense e pode dar seus detalhes no encontro desta tarde.

Kleina também foi procurado por três "grandes treinadores", mas não revelou seus nomes. E, no caso do atleta, que já se disse de "saco cheio" das críticas da torcida, parece lavar as mãos, até por entendê-lo. "O Luan é um grande nome. É importante o novo comando entender realmente o sentimento dele quando deu aquela entrevista, de repente com cabeça quente", solicitou.

"Disse ao Luan: tenho o direito de tirá-lo e colocá-lo do time, mas não do clube. O clube fez um grande investimento nele. Se ele não quer ter sequência aqui, analisamos que trocas podem ser feitas e entender que, no momento, é importante o valor financeiro", comentou o técnico.

Luan chegou ao Verdão em 2010 por empréstimo. No ano seguinte, foi contratado em definitivo a pedido de Luiz Felipe Scolari por cerca de R$ 7 milhões pagos ao Toulouse, da França. Mas nunca agradou à torcida, que o xingou bastante no 0 a 0 com o Bragantino, no domingo, no Pacaembu, no primeiro jogo do time no ano.

"Temos confiança nele e sabemos como resgatá-lo. Respeito seu passado, mas o vejo em outra posição, não muito na beirada, mas de área por ser brigador e ter o tato do gol. Acho que ele é mais um centroavante", opinou Kleina, dizendo resgatar a origem do atacante no São Caetano.

O técnico tem certeza de que Luan não sofreria caso continue no clube e volte ao Pacaembu neste domingo, diante do Penapolense. Kleina lembra que, na quarta-feira, o atacante saiu do banco para fazer o gol que selou a vitória por 3 a 1 sobre o Oeste, em São José do Rio Preto - embora na capital as torcidas organizadas tenham insultado o jogador em meio a protestos contra a antiga diretoria.

"Colocamos o Luan contra o Oeste, ele entrou vaiado e saiu aplaudido. A resposta que ele deu foi o gol. E só pode reverter sua imagem jogando, não tem outra situação. E a luta dele... É impressionante como se dedica, se dispõe até a trabalhar em outra posição. Tem vontade de crescer no Palmeiras", enalteceu Kleina, mais uma vez.

Leia tudo sobre: luanpalmeirasmarcado da bola

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas