Português foi oferecido a Joan Laporta, que alegou dificuldades financeiras para não contratá-lo antes de ele ser negociado com o Manchester United

Cristiano Ronaldo foi oferecido ao Barcelona antes de ir para o Manchester United, em 2003
Getty Images
Cristiano Ronaldo foi oferecido ao Barcelona antes de ir para o Manchester United, em 2003

Destaques do Real Madrid nas últimas temporadas, o atacante Cristiano Ronaldo e o treinador José Mourinho poderiam ter parado no Barcelona na última década. Em entrevista ao programa Al Primer Toque , da rádio Onda Cero , o ex-presidente do clube catalão, Joan Laporta, afirmou que o empresário, Jorge Mendes, ofereceu o craque ao time catalão, mas o acerto não aconteceu por questões técnicas e financeiras em 2003.

"Mendes nos ofereceu Cristiano Ronaldo, e seria um negócio ainda mais barato do que foi ao Manchester United, mas não tínhamos disponibilidade econômica na época. Jorge é um homem muito inteligente, tem feito seu trabalho muito bem e merece o sucesso que obteve", explicou Laporta, presidente do Barcelona entre 2003 e 2010.

Revelado pelo Sporting, em 2001, Cristiano Ronaldo ganhou notoriedade no futebol europeu e acabou contratado pelo Manchester United, em 2003, por 15 milhões de euros (aproximadamente R$ 40,7 milhões). Entretanto, antes de concretizar a negociação com os ingleses, o atacante foi oferecido ao Barcelona, que passava por fase de reformulação em seu elenco.

Já José Mourinho, assistente técnico do treinador Bobby Robson no Barcelona durante a década de 90, foi cogitado para retornar ao time catalão em 2008, quando o holandês Frank Rjkaard deixou o comando da equipe. Após vitoriosa passagem por Porto e Chelsea, o português despertava o interesse de Laporta, mas o então mandatário blaugrana optou por dar uma oportunidade ao espanhol Josep Guardiola, que conquistou 14 títulos em um período de quatro anos (2008-2012).

"Mendes me ligou para perguntar se tínhamos interesse em contratar Mourinho, mas disse que havíamos decidido apostar em Guardiola. A pessoa ideal para continuar com a ideia e filosofia de jogo era Pep. Desde o ponto de vida esportivo, confiar nele foi uma das melhores decisões que tomei como presidente. Sempre pensamos que sairia bem, mas a realidade é que superou qualquer expectativa", disse Laporta.

*com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.