Com ofertas de Dubai, torcida e Kleina pesaram para Barcos ficar no Palmeiras

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

"O melhor que eu podia fazer era ficar aqui", disse o argentino. Ele assinou um novo contrato com o time paulista até 2016

Gazeta Press
Barcos é a comemoração que ganhou fama entre os torcedores do Palmeiras

A notícia de que Hernán Barcos havia renovado o seu contrato com o Palmeiras até 2016 foi a primeira conquista dos alviverdes nesta temporada. Com a saída de Marcos Assunção para o Santos e as seguidas lesões de Valdivia, o argentinou se tornou a única referência do Verdão e viu seu nome ligado a boatos do futebol italiano e árabe durante a janela de transferências. Porém, o assédio das milionárias ofertas não superaram o carinho da torcida e a confiança de Gilson Kleina em seu futebol.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Contente por ter prolongado o seu vínculo com o Palmeiras, Barcos reforçou que a demora nas negociações não partiu em nenhum momento de questões financeiras. "O dinheiro não era problema. Eu tinha três ofertas de Dubai e o que pesou para mim foi o carinho de toda a torcida. Eu tenho muito carinho pelo Palmeiras e todos me trataram muito bem. O Gilson Kleina também confia em mim e o melhor que eu podia fazer era ficar aqui", comentou.

Leia também: Com responsabilidade de ídolo, Barcos promete fazer 28 gols novamente em 2013

O argentino também listou as qualidades que o fizeram ser tão querido pela torcida alviverde e agradeceu ao apoio demonstrado mesmo com a queda para a segunda divisão. O centroavante disse que é comum andar pelas ruas de São Paulo e notar pessoas imitando o gesto que o caracterizou como o ‘Pirata’ do Verdão. Por sua semelhança física com os saqueadores de histórias infantis, o jogador passou a comemorar gols como se usasse um tapa-olho e virou um ícone para os palmeirenses após conquistar a Copa do Brasil. 

E ainda: Barcos defende irmão e diz que competitividade é entrave da Série B

"A sinceridade que eu sempre tive e os gols que marquei em 2012 foram importantes. Não adianta nada ser boa gente se você não marcar gols. E eu também nunca fiquei fora de um jogo. Sempre participei quando tinha a possibilidade. O torcedor olha isso e entende que eu sempre quis estar no Palmeiras. Eu agradeço a todos que me apoiam e tenho certeza que eles me tratam assim por causa dessas características", opinou.

Sem perder o faro de gol que o transformou em ídolo no Palestra Itália, Barcos já anotou dois tentos nos jogos-treinos realizados pelo clube até aqui. O argentino converteu um pênalti na vitória por 2 a 1 contra o São Caetano, no último domingo, e completou cruzamento de Ayrton para as redes no empate por 1 a 1 com o Juventus. A estreia oficial do atacante em 2013 está programada para este domingo, quando ele formará dupla com Luan na partida diante do Bragantino, válida pela primeira rodada do Campeonato Paulista.

*com Gazeta

Leia tudo sobre: PalmeirasBarcosGilson KleinaPaulistão 2013Série B 2013

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas