Milan violou regra ao abandonar jogo, mas não será punido, diz dirigente

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Vítima de insultos racistas da torcida do Pro Patria, Boateng deixou a partida em companhia dos seus colegas de time e foi para o vestiário

Reuters

Reuters

O Milan violou as regras ao abandonar um amistoso neste mês por causa de ofensas racistas contra Kevin-Prince Boateng, mas o clube não sofrerá punições, disse na terça-feira o comissário disciplinar do Campeonato Italiano.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

O ganês Boateng foi amplamente elogiado nos meios esportivos por ter parado a partida contra o Pro Patria, da quarta divisão italiana, chutando a bola para a arquibancada e rumando para o vestiário na companhia dos colegas, após ouvir repetidos gritos comparando-o a um macaco. O árbitro encerrou o jogo 26 minutos depois do incidente.

Leia mais sobre futebol italiano no blog Tripletta

O comissário disciplinar da quarta divisão puniu o Pro Patria com a perda do mando de uma partida, mas deixou para seu colega da Série A, a primeira divisão italiana, qualquer decisão sobre o Milan.

"Nos atuais regulamentos do futebol, nenhuma regra permite que um time pare um jogo e abandone o campo sem a concordância do árbitro ou dos órgãos de segurança pública", disse a nota da Série A. "No entanto, valores essenciais do esporte e da civilidade excluem a ação disciplinar, num gesto de solidariedade à vítima de insultos vulgares, apenas por causa da cor da sua pele."

O próprio fato de a Série A ter cogitado punir o Milan já pode causar espanto para alguns. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que Boateng havia sido "corajoso", mas que abandonar o jogo não poderá ser uma solução de longo prazo.

Leia tudo sobre: Futebol MundialItáliaMilanRacismoBoateng

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas