Gobbi rebate Andrés e é contra mudança de estatuto que permita sua volta em 2015

Por Bruno Winckler , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Regra para eleição no Corinthians veta que ex-presidentes se candidatem a novo mandato menos de seis anos após deixar o cargo. Sanchez sugere mudança, mas tem oposição

Gazeta Press
Mario Gobbi foi o candidato indicado por Andrés a sucedê-lo no início de 2012

O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, enfrenta no atual ocupante do cargo e indicado por ele ao posto, Mário Gobbi, a principal oposição à sua proposta de mudança do estatuto do clube que lhe permite nova candidatura à presidência somente em 2018. Sanchez quer estar apto a se candidatar em 2015, no fim do mandato de Gobbi, na presidência desde fevereiro de 2012.

Na mudança do regimento interno do Corinthians conduzida no segundo mandato de Sanchez, definiu-se que seria proibida a reeleição a presidente e que uma vez deixado o cargo, o seu último ocupante só poderia pleiteá-lo novamente após seis anos, ou dois mandatos.

Andrés Sanchez em 2010: "Eu nunca mais serei presidente do Corinthians"

"Esta foi uma emenda do estatuto que eu redigi. Eu não posso ser contra os seis anos de quarentena de um ex-presidente e desdizer o que disse no passado", disse Gobbi na segunda-feira durante evento que lançou uma parceria entre 15 clubes e um conglomerado de grandes empresas do país.

Sem cargo no futebol desde sua saída da CBF, em dezembro, Sanchez cogitou a possibilidade de mudar o estatuto para voltar a ser presidente do Corinthians durante entrevista ao canal Sportv. "Não sou a favor de que mude, mas, como bom democrata se a maioria achar que é preciso mudar o estatuto, vamos mudar", disse Sanchez. "Vamos ver se isso muda na outra eleição, pode ser na próxima já", completou.

Gobbi se diz contra a mudança: "Cada um tem sua forma de pensar, mas eu entendo que os seis anos de espera é mais salutar. Mas não sou que decido sozinho. É uma mudança que para acontecer precisa primeiro passar votação no conselho e depois em assembleia. É um assunto institucional", comentou.

A posição de Sanchez vai contra suas próprias palavras quando deixou o cargo. Perguntado sobre quais as maiores conquistas do seu mandato, o ex-presidente deixava feitos como a construção do estádio em Itaquera, os títulos e a contratação de Ronaldo em segundo plano para dar destaque ao novo estatuto do clube.

"Acabamos com a possibilidade de um presidente se perpetuar no poder, o que sempre foi nossa bandeira. O Corinthians nunca mais terá um dono", disse Andrés. "A cada três anos vamos ter um novo presidente e todos vão ter chance", completou, citando as pessoas do grupo político do Parque São Jorge que o apoiaram no seu mandato.

Alessandro, capitão do Corinthians, ergue a taça do Mundial de Clubes, ao lado de seus companheiros. Foto: AFPPaolo Guerrero sai para festejar seu gol diante do Chelsea. Foto: Getty ImagesDe outro ângulo, Guerrero sobe para marcar o gol do título do Corinthians. Foto: ReutersGuerrero sobe de cabeça para fazer o gol do Corinthians, observado por Ramires. Foto: Getty ImagesJogadores do Corinthians posam antes da final do Mundial de Clubes, quando venceu o Chelsea por 1 a 0. Foto: Getty ImagesTorcida do Corinthians na quadra da Gaviões da Fiel vai à loucura após o gol de Guerrero, diante do Chelsea. Foto: APO peruano Guerrero tenta arremate, bloqueado por zagueiro do Chelsea, durante a final em Yokohama. Foto: AFPO goleiro Cássio salva em cima da linha, observado por Chicão, Moses e Cahill. Foto: ReutersDavid Luiz discute com o técnico Tite após uma jogada mais dura do zagueiro do Chelsea. Foto: Getty ImagesTorcedores do Corinthians lotam a quadra da torcida organizada Gaviões da Fiel, acompanhando a final do Mundial de Clubes. Foto: APChicão consegue cortar a bola e evita chute de Hazard. Foto: AFPO espanhol Fernando Torres encara a marcação de Jorge Henrique e Paulinho. Foto: AFPO lateral corintiano Alessandro rebate a bola e evita ataque de Fernando Torres. Foto: AFPJogadores de Corinthians e Chelsea ficam perfilados antes de entrar em campo em Yokohama. Foto: Getty ImagesTorcedor corintiano apóia o time durante a final contra o Chelsea, em Yokohama. Foto: ReutersBandeira do Corinthians sendo vendida na porta do estádio. Ela custa 1.000 ienes, cerca de R$ 24. Foto: Bruno Winckler / iGEscadaria do estádio de Yokohama tomada de corintianos antes da partida contra o Chelsea. Foto: Bruno Winckler / iGCorintianos tomaram conta da "Fan Fest", espaço reservado pela Fifa aos torcedores. Foto: Bruno Winckler / iGJaponês fã do Chelsea. Ele tem Gianfranco Zola como ídolo. O ex-jogador italiano é um ícone para os torcedores do time inglês do tempo das "vacas magras" pré-Abramovich. Foto: Bruno Winckler / iGFaixa para Ronaldo levada pelos torcedores do Corinthians para o Japão. Foto: Bruno Winckler / iG

Leia tudo sobre: corinthiansmário gobbiandrés sanchez

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas