Após tratamento nas férias, Dedé pede ano sem lesões no Vasco

Por O Dia |

compartilhe

Tamanho do texto

Zagueiro sofreu com dores e uma fratura na perna esquerda e teve rendimento abaixo do esperado em 2012

Site oficial
Com time em crise, Dedé é uma das poucas referências do Vasco em campo para 2013

Ele foi eleito o melhor zagueiro do Brasil por dois anos consecutivos, mas em 2012 Dedé conviveu com uma fratura na perna esquerda, que o tirou de boa parte da Libertadores no primeiro semestre, da reta final do Brasileirão e o fez cair de rendimento. Finalmente recuperado da lesão, o Mito, uma das últimas referências do Vasco que seguiram no clube, vai se reapresentar nesta quinta-feira com o desejo de dar a volta por cima.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Em campo sentinto dores em alguns jogos, Dedé teve dificuldade para duelar com os atacantes adversários. Além de desfalcar o Vasco, a fratura por estresse na perna esquerda e a falta de ritmo também impediram que o camisa 26 fosse convocado para os Jogos Olímpicos de Londres, no meio do ano.

Autocrítico e ciente de que o atual elenco do Vasco vai precisar de sua ajuda, Dedé fez tratamento durante as férias para poder participar da pré-temporada, que será realizada em Pinheiral do dia 4 ao dia 18. Seu único pedido para 2013 é uma temporada sem lesões.

Leia mais: Sem reforços de peso, Vasco aposta na base para 2013 incerto

“Tomara que não sofra mais lesão, que não me machuque de novo. Eu me empenhei durante o tratamento e a região está bem consistente, não sinto mais dor. Espero que em 2013 possa ter uma temporada mais tranquila”, disse o Mito no fim do ano, em Volta Redonda.

A presença de Dedé dentro e fora de campo é considerada importantíssima em São Januário. Tanto que a diretoria do Gigante da Colina, mesmo sem dinheiro em caixa, recusou algumas propostas milionárias pelo Mito. Quantias que poderiam ter dado um fôlego para o clube buscar reforços. Dedé, que tem contrato até o fim de 2015, é um dos jogadores que estão com salários em dia.

“Ele é imprescindível, pois representa a virada do Vasco”, disse recentemente o diretor executivo René Simões.

Leia tudo sobre: vascodedémercado da bola

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas