"Não me dá raiva, dá pena", diz diretor do Tigre sobre o futebol brasileiro

Sérgio Massa afirma esperar que a federação argentina entre em defesa do clube e classifica episódio como "vergonhoso"

iG São Paulo | - Atualizada às

São Paulo ficou com o título da Copa Sul-Americana de 2012 jogando apenas os primeiros 45 minutos da decisão desta quarta-feira. O jogo foi encerrado antes da realização do segundo tempo pelo árbitro chileno Enrique Osses. Isso porque os jogadores do Tigre não voltaram ao campo após o intervalo, alegando que foram agredidos por seguranças do clube brasileiro no vestiário. É por isso que Sérgio Massa, diretor do clube argentino, mostrou-se revoltado.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Leia também:  Jornal argentino classifica final da Sul-Americana como "constrangedora"

“Quinze seguranças do estádio com cacetetes e armas de fogo, colocando contra o peito dos jogadores", disse Massa à Fox Sports após o jogo. "Toda essa situação aconteceu para a gente terminar a partida. Pedimos para que a partida fosse suspensa. Esperamos que a federação argentina entre em defesa do Tigre e do futebol argentino. Nós sempre valorizamos o talento no futebol e respeitamos o Brasil. Hoje, fomos protagonistas de uma das páginas mais vergonhosas do futebol brasileiro. Isso não me dá raiva, me dá pena”, concluiu.

Responsável pela segurança no Morumbi, o major Gonzaga, do 2º Batalhão de Choque da Polícia Militar, disse após o jogo que presenciou uma grande briga entre seguranças do São Paulo e jogadores e comissão técnica do Tigre.

O major, no entanto, negou ter presenciado seguranças armados no local. A presença de revólveres na cena justificou a iniciativa do Tigre de não retornar para o segundo tempo.

    Leia tudo sobre: São PauloTigreCopa Sul-Americana

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG