Segundo o goleiro, argentinos atravessaram um corredor e foram até o vestiário do São Paulo, onde houve o encontro com seguranças do clube paulista

O goleiro Rogério Ceni partiu em defesa do São Paulo e culpou o Tigre pela confusão ocorrida nos vestiários do Morumbi na noite de quarta-feira, na final da Copa Sul-Americana. De acordo com o capitão são-paulino, que participou do programa Arena, do canal Sportv , os argentinos foram os responsáveis pela baderna que terminou em agressão e que os levou a desistir do jogo, dando ao clube paulista o título continental .

“Eles quebraram mesas e cadeiras no vestiário deles, mesmo porque a entrada de um vestiário é distante do outro. Os seguranças ficam na porta do nosso vestiário. Eles tentaram invadir para agredir o Lucas”, disse o goleiro sobre o início do tumulto. "Eles começaram a atirar as coisas nos nossos seguranças, que protegeram a entrada do nosso vestiário", completou.

Leia mais: Jornal argentino diz que final da Sul-Americana foi "constrangedora"

Ceni ainda desmentiu que os seguranças do clube usem armas. "Faz 23 anos que estou lá e nunca aconteceu um episódio desse. Jamais um segurança tentaria agredir um jogador, ou teríamos relatos anteriores. Eles ainda tentaram plantar que foi puxada uma arma... Quem tem arma é polícia".

Veja ainda: Time argentino presta depoimento e repete acusações

O goleiro vê a baderna como estratégia do Tigre para evitar a derrota. “Foi tudo premeditado para tentar anular o jogo, que seria uma chance deles para recomeçar do zero. É uma pena, porque é o futebol argentino representado. E não condiz com a grandeza do futebol argentino”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.