René Simões pede paciência a torcida e diz que vai tentar permanência de Juninho

Meia do Vasco pode ir para o Red Bulls, equipe americana em que joga o francês Thierry Henry

O Dia |

André Mourão / Agência O Dia
Juninho Pernambucano foi aos EUA negociar com o time de Henry

A situação de Juninho segue indefinida. O meia viajou para os Estados Unidos para ir a sede do Red Bulls, equipe do jogador Thierry Henry, que está interessada na contratação do Reizinho. No entanto, Dinamite se disse otimista em relação a renovação do apoiador.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Novo diretor executivo do clube carioca, René Simões, afirmou que a situação não é simples, mas garantiu trabalho para a permanência do craque.

''O Juninho teve um programa quando voltou. Um projeto no Vasco. O que ele é quer é o que nós queremos: salários de todos em dia, clube estruturado. Vamos fazer de tudo para que ele fique. E para que esses objetivos sejam acalcados. O caso dele envolve também um planejamento para o pós carreira. O contrato dele era mesmo especial. Ele chegou ontem, ou anteontem dos Estados Unidos e em breve vamos conversar para resolver essa situação. Eu acredito que tudo vai dar certo'', disse o dirigente, em entrevista ao Sportv.

Apesar de Roberto Dinamite não ter garantido a volta de Bernardo, René afirmou que o retorno do jogador foi um pedido de Ricardo Gomes.''Não temos nenhum nome novo em vista. A não ser o Bernardo que volta. É um bom rapaz. O Ricardo Gomes gosta muito dele e certamente vai somar muito ao grupo'', disse.

O dirigente ainda falou de um assunto delicado para o clube de São Januário. Recém-chegado, René sabe dos problemas financeiros do Vasco, e por conta disso, pediu paciência a torcida cruzmaltina.

''A ideia é que todos no Vasco estejam felizes. Eu peço paciência a torcida. Quando peguei o Fluminense em 2008, eu pedi paciência a eles. No Atletico-GO, na Jamaica também. Aí cabe até um apelo para a receita. É difícil pagar quando você está com suas contas 100% bloqueadas. Asfixiado, é mais difícil quitar as dívidas. Se eu não pagar minha secretária, eu vou ser cobrado. Os clubes têm que entender que devem pagar. A Receita tem o dever de cobrar. Mas poderia encontrar outros meios para fazer'', concluiu.

    Leia tudo sobre: vascorené simõesjuninho pernambucano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG