Anúncio de Felipão como novo técnico da seleção brasileira acontece nesta quinta pela manhã, no Rio. Presidente da CBF e ex-jogador não falaram sobre a confirmação

A seleção brasileira não ficará sem um representante na reunião de técnicos das equipes participantes da Copa das Confederações, sexta-feira, um dia antes do sorteio dos grupos da competição. A contratação de Luiz Felipe Scolari para suceder Mano Menezes no cargo, no entanto, ainda é um assunto tratado com cuidado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Felipão levará ao Brasil à conquista do hexa em 2014? Opine!


Nesta quarta-feira, logo após reunião do COL (Comitê Organizador Local) da Copa do Mundo de 2014, José Maria Marin desconversou sobre Felipão. "Respeitosamente, pediria para responder sobre isso só amanhã, quando apresentaremos o novo técnico", esquivou-se o presidente da CBF, usando o evento de que participava em São Paulo como justificativa para a sua atitude.

Leia mais: "Expresso da Copa" chega a Itaquera em 17 minutos e rende elogios de Valcke

"A chegada do novo técnico é um assunto relativo à CBF. Estou aqui representando o COL. Amanhã, às 11 horas, poderei tratar do tema relacionado à Seleção Brasileira em um lugar apropriado, a sede da nossa entidade, no Rio de Janeiro. Darei uma entrevista coletiva especificamente sobre isso", acrescentou Marin.

Confira ainda: Valcke promete ingressos a operários e Kassab comemora boa impressão da Fifa

Após ouvir as palavras do presidente da CBF, Ronaldo adotou o mesmo discurso. Membro do COL, o ex-atacante foi campeão mundial em 2002 sob o comando de Felipão - e não estará na sede da entidade que comanda o futebol nacional para comentar a contratação na manhã de quinta-feira.

"Já estão sabendo quem é o treinador?", sorriu Ronaldo, ironicamente. "Façam as perguntas amanhã para os responsáveis pela CBF. Não estarei lá. Vim até o evento de hoje como membro do Comitê Organizador Local. Darei a minha opinião sobre o técnico em outro momento", avisou.

Jérôme Valcke, secretário geral da Fifa, também foi contagiado pelo posicionamento de Marin. O dirigente francês aproveitou para esclarecer que não fez nenhuma pressão para que o sucessor de Mano Menezes fosse definido antes do sorteio da Copa das Confederações. "Li que estou envolvido na discussão sobre o novo técnico. Isso está completamente errado. A Fifa não tem nada a ver com o tema. É da competência da CBF", disse, arrancando um sorriso da boca de José Maria Marin.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.