Em entrevista a emissora de TV, diretor de seleções da CBF afirma que não pode abandonar a entidade neste momento

Andrés Sanchez, diretor de seleções da CBF
Getty Images
Andrés Sanchez, diretor de seleções da CBF

Menos de 24 horas depois de afirmar que tinha grandes chances de deixar a CBF, o diretor de seleções da entidade, Andrés Sanchez, adotou um discurso mais cauteloso nesta terça-feira. Em entrevista à TV Bandeirantes , o dirigente revelou que ficará no cargo pelo menos até o final da semana, a fim de comparecer à cerimônia que decidirá quais serão os grupos da Copa das Confederações, marcada para o ano que vem, no Brasil.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Já estamos indo para o sorteio da Copa das Confederações sem treinador. Não posso deixar a CBF neste momento. Existe um monte de coisas em volta da seleção, não se trata apenas de uma questão de querer ou não", explicou.

Leia também:  Sanchez é sondado para ter cargo no governo de Haddad, diz jornal

Mesmo assim, Andrés prometeu se reunir com o presidente da CBF, José Maria Marín, após o sorteio para discutir seu futuro na entidade. O diretor voltou a afirmar que se sentiu isolado dentro da confederação após ter se posicionado contra a demissão do técnico Mano Manezes na semana passada, enquanto o próprio Marín e o vice-presidente Marco Polo Del Nero votaram a favor.

Veja ainda:  Queda de braço perdida contra Del Nero força Andrés Sanchez a deixar a CBF

"Tenho uma reunião marcada com o presidente Marín para acertarmos tudo. Fora a questão do Mano, de concordar ou não com a demissão, existem coisas mais importantes. Claro que fui contra a saída dele, estou machucado. Mas por isso mesmo é que vou conversar com o Marín", encerrou.

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.