Despreocupado, Kleina não sabe se Palmeiras oferecerá mala branca

Treinador afirma não ver problema se o clube oferecer incentivo financeiro para a Portuguesa, que enfrentará o Bahia

iG São Paulo * |

Gazeta Press
Gilson Kleina, técnico do Palmeiras

Neste domingo, o Palmeiras pode reduzir para dois pontos a diferença para a saída da zona de rebaixamento. Isso se o time vencer o Botafogo e contar com uma derrota do Bahia diante da Portuguesa. A combinação dá a possibilidade de o Palmeiras oferecer um incentivo financeiro ao clube do Canindé, algo que o treinador Gilson Kleina não condena.

O Palmeiras deve oferecer mala branca à Portuguesa? Comente

“Se for para incentivar outra equipe para vencer, não vejo problema nenhum”, opinou o técnico, alegando desconhecer qualquer intenção da diretoria em usar a mala branca. “Não participo disso, acontece nos bastidores. Nós focamos no jogo contra o Botafogo, o que foi muito falado é para canalizar definitivamente as forças, cientes de tudo que passamos, do que precisamos e do que estamos fazendo”, desconversou.

Mauricio Ramos, único jogador a falar do assunto durante a semana, também alegou desconhecimento sobre uma mala branca. E, ao contrário do técnico, disse reprovar a medida. "Não sou a favor. Se tiver isso aí, quem vai resolver são outras pessoas. Precisamos entrar no domingo contra o Botafogo e fazer o jogo das nossas vidas", afirmou o zagueiro.

Leia também: Kleina já usa discurso de que Palmeiras "continua grande mesmo se cair"

Kleina, porém, acredita que talvez não seja necessário o incentivo, já que a Portuguesa precisa vencer para se afastar da faixa de descenso – está a sete pontos dos quatro últimos colocados. “Se analisarmos bem a tabela, tanto a Portuguesa quanto o Bahia necessitam da vitória. E muito se fala desse jogo, mas estamos em 18º lugar, precisamos ultrapassar o Sport. Todos buscam seus interesses, mas o maior para nós tem que ser a vitória do Palmeiras”, lembrou.

Nas contas do técnico, a queda para a Série B será evitada com quatro vitórias nas cinco partidas que restam. Por isso, ele pede que os atletas só se preocupem com seus compromissos. “Temos que fazer a nossa, independentemente do que acontecer. Não temos que ficar pensando, o trabalho que fazemos é diretamente com os jogadores pela situação do Palmeiras.”

E mais:  Palmeiras acerta patrocínio com rede de lojas oficiais do clube

Embora discurse dizendo estar focado em seu duelo, o treinador tanto não enxerga absurdos no oferecimento de dinheiro para a Portuguesa que já teve times seus agraciados com esses bônus. “No futebol, acontece essa situação, faz. Já vivenciei isso”, admitiu, sem dizer em que clube passou pelo caso. “Tem várias situações, não só em uma agremiação. Isso (a mala branca) existe e não vejo problema nenhum”, insistiu.

Para Kleina, o problema só existe em casos no qual um time aceita dinheiro para ser derrotado. “O que nunca vivenciei foi entrar em campo para perder. Nunca entrei em campo depois de fazer uma palestra dizendo que o resultado não é de vitória, até porque não vou compactuar com isso”, declarou.

*Com Gazeta

    Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.
    Leia tudo sobre: PalmeirasGilson KleinaBrasileirão 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG