Atacante palmeirense marcou gol com a mão na derrota para o Inter e o lance foi anulado pelo árbitro, após suposta interferência de repórteres. Palmeiras pediu a anulação da partida

Jogadores do Palmeiras reclamam da anulação do gol de Barcos
Gazeta Press
Jogadores do Palmeiras reclamam da anulação do gol de Barcos

Barcos admite que usou sua mão para desviar a bola para o gol em lance invalidado na derrota para o Inter, no sábado. O argentino, porém, nega ter adotado a irregularidade intencionalmente, e ainda argumenta: a decisão correta do árbitro seria marcar pênalti cometido por Índio naquele lance.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

"É claro que coloquei a mão na bola, mas fui puxado na área. Pulei para ir com a cabeça, mas fui com a mão porque fui puxado, a bola bateu e entrou", disse o atacante, concordando com a tentativa de anulação do jogo. "É perfeito o que faz o Palmeiras. Se não vale gol de mão, o justo seria a marcação do pênalti."

Leia mais: Palmeiras entra com pedido para anulação da partida contra o Inter

Nas imagens da televisão, é possível ver Índio, que se desentendeu com o camisa 9 do Palmeiras durante toda a partida, agarrando o centroavante com os dois braços, mantendo-se assim a ponto de atrapalhar o artilheiro até ao partir para comemorar o gol.

Confira ainda: Árbitro de Inter x Palmeiras diz em súmula que nada de anormal aconteceu em jogo

"É bem claro que o Índio me puxa. Mas, como foi gol, ninguém se recorda disso. E ainda menos quando é com o Palmeiras", acusou Barcos, bastante irritado com a anulação de seu gol, que celebrou colocando uma mão no olho e esticando o outro braço, como um pirata, seu apelido - cinco minutos depois, era marcada sua infração, embora sem ele ter recebido cartão amarelo.

"Se deu gol, é gol, não tem que perguntar lá fora. Se vamos aos fatos, é pênalti e não tenho que tomar cartão", insistiu, reforçando que não teve a intenção de dar uma ‘cortada’ na bola. "Bati com as costas da mão. Se fosse pensado, a bola pegaria na parte da frente. Não foi algo pensado."

*Com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.