Técnico são-paulino não gostou da atitude do goleiro, que pediu entrada de Cícero no jogo da Sul-Americana, mas disse que conversou e está tudo esclarecido com ele e com elenco

Rogério Ceni em ação no jogo contra LDU de Loja na Sul-Americana nesta semana
RAFAEL NEDDERMEYER/Marca Brasil
Rogério Ceni em ação no jogo contra LDU de Loja na Sul-Americana nesta semana

Embora tenha discordado da opinião de Rogério Ceni de que Cícero é quem deveria ter entrado em campo, em vez de Willian José, no duelo contra a LDU de Loja, Ney Franco aposta que o goleiro possa se tornar um bom treinador depois que encerrar a carreira.

Deixe seu recado e comente com outros torcedores

"Além do conhecimento de futebol, tem perfil de liderança. É lógico que vai precisar da prática. Não falo em terminar a carreira como jogador e já pegar uma equipe profissional, mas tem todo perfil para ser um grande treinador", disse o comandante do São Paulo, dois dias depois de entrar em atrito com o camisa 1.

Leia ainda:  Ney Franco diz que redefiniu papel de Ceni em reunião sem lengalenga

"Não sei se ele vai se aventurar por esse caminho, pois todos sabem a dificuldade que é ser treinador no futebol brasileiro, independentemente das divisões. Acho mais fácil ser treinador de equipe da Série A do que da B, da C, daí para baixo. Mas ele (Ceni) tem condição para fazer isso", acrescentou.

Elogiar o conhecimento tático do goleiro após a polêmica de quarta-feira pode soar contraditório, mas não é. Ney Franco deixou claro nesta sexta que respeita e até ouve Ceni no dia a dia. O que ele não admite é que qualquer jogador tente interferir em suas decisões ao longo das partidas, como foi o caso.

E mais:  Ceni admite interferência em decisão de Ney, mas diz que respeita a hierarquia

"Sempre deixei claro, desde o momento em que cheguei, que o Rogério, além de atender (às necessidades) na parte técnica, dentro de campo, entende bem da parte tática. E eu converso com ele sobre isso. Ele tem essa característica", salientou.

Aos 39 anos, o goleiro tem contrato com o São Paulo até 31 de dezembro e ainda não definiu se renovará o vínculo ou se vai se aposentar dos gramados. A opção por se tornar treinador, no entanto, não lhe agrada, por incrível que pareça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.