Sem opções, Gilvan garante Roth no Cruzeiro e explica campanha ruim

Presidente do clube mineiro disse que hoje não há nenhum técnico de ponta para substituir o comandante cruzeirense

Gazeta |

Gazeta Press
Celso Roth e Cruzeiro cumprirão contrato até o fim, disse dirigente

A campanha discreta do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro pode culminar na saída do técnico Celso Roth no final da temporada. O presidente Gilvan de Pinho Tavares afirmou que vai esperar o final do ano para tomar uma decisão sobre a permanência de Roth, mas a tendência é que o treinador tenha que buscar outro emprego. O mandatário cruzeirense deixou escapar que Celso Roth continua no clube por falta de opções no mercado.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Se o objetivo fosse tirar o Roth agora, qual treinador de ponta teria disposição para vir? Treinador nenhum viria para assumir seis partidas neste ano. Não estamos pensando nisso agora. O Roth tem contrato até o fim do ano, vamos cumprir e ele também. Temos tempo para pensar, até o final do ano. Vamos correr atrás de jogadores para reforçar o plantel, independentemente se o treinador será ou não o Celso Roth", declarou.

Leia mais: Presidente do Cruzeiro confirma acerto para mandar jogos no Mineirão

Nono colocado no Brasileiro com 43 pontos, o Cruzeiro está longe do G4 e deve apenas cumprir tabela nas rodadas finais do Brasileiro. Sem perspectivas na competição, Gilvan Tavares tentou explicar os motivos que levaram a Raposa uma campanha sem muito brilho na competição nacional.

"Nos primeiros meses do ano não tínhamos dinheiro em caixa. Mas com competência do nosso departamento montamos um plantel em condições de brigar com os times que estão nas primeiras posições do Brasileiro. Enfrentamos clubes como Fluminense e Grêmio em igualdade. Encaramos o Atlético-MG, que está na ponta e conseguimos um empate, num jogo duríssimo para eles", comentou Gilvan, que ainda lamentou a punição de perda de mando de campo.

Veja também: Cruzeiro lança terceiro uniforme com design diferente do tradicional

"Várias coisas pesaram ao time do Cruzeiro para que não tivesse em uma condição melhor. Uma foi a punição de perda de mandos de campo, tínhamos que viajar e tem o desgaste de viagem, porque tínhamos que sair com antecedência para ao interior", concluiu.

    Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.
    Leia tudo sobre: cruzeirocelso rothgilvan taveresbrasilerão 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG