Para Mano, melhora tática permite ao Brasil jogar sem centroavante

Ciente de que ainda precisa testar time contra adversários mais fortes, técnico se anima e elogia quarteto ofensivo

Gazeta |

A nova formação ofensiva da seleção brasileira funcionou nos amistosos contra Iraque e Japão. Mesmo sem contar com um centroavante fixo, o time de Mano Menezes comemorou duas goleadas, por 6 a 0 e 4 a 0. A boa movimentação de Kaká, Oscar, Neymar e Hulk foi fundamental para o sucesso da equipe.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Estamos trabalhando com a ideia de jogar sem um centroavante há bastante tempo, mas o time não tinha se encaixado. Agora, sim, melhorou a qualidade de leitura de jogo da Seleção. Temos jogadores de meio-campo capazes de se ajustar sem uma referência lá na frente. Isso requer mais entendimento de jogo", analisou Mano.

O técnico tem consciência de que precisa testar o time com Kaká, Oscar, Neymar e Hulk contra adversários mais fortes. Mas já ficou satisfeito com o que viu nos últimos amistosos. "É claro que gostei. Nem poderia ser diferente. A gente vem trabalhando na busca de uma Seleção ideal, que vem sendo encontrada aos poucos. Tivemos percalços no meio do caminho, mas as coisas estão se aproximando do que imaginávamos. Sabemos que marcar dez gols em dois jogos é algo fora do normal, mas o mais importante é que produzimos para isso. Tudo é mérito de uma formação que vai se encaixando", comentou.

Leia mais: Neymar iguala número de gols de Ronaldo pela seleção nos seus 25 primeiros jogos

Mano ainda rebateu os críticos da presença de Hulk em seu atual quarteto ofensivo. "Nas outras três funções do ataque, temos jogadores essencialmente técnicos. Você não faz uma equipe só com atletas de uma mesma característica. O Hulk tem força física, transpõe a marcação e, muitas vezes, aposta em jogadas diferentes das dos demais", advogou.

Após enfrentar muitas críticas, o treinador espera colecionar elogios em suas próximas convocações. O objetivo é dar sequência à base do time vitorioso contra Iraque e Japão na preparação para a Copa das Confederações de 2013. "Queremos manter a maioria dos convocados. O crescimento da seleção brasileira é bom para todo mundo. Estávamos precisando disso. O torcedor vai aumentando a sua autoestima, a sua consideração, e isso é vital para o futebol brasileiro, que disputará uma Copa do Mundo dentro de casa", concluiu Mano Menezes.

Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG