Antes de jogo "divisor de águas", Palmeiras contém extracampo e pede fé

Nos discursos, a tentativa é também de evitar que os jogadores se contaminem com a certeza de rebaixamento existente em torcedores

Gazeta |

Menos de uma semana após perder um jogo que classificava como decisivo, diante do Coritiba, na quinta-feira, em Araraquara, o Palmeiras volta a enfrentar o primeiro time fora da zona de rebaixamento do Brasileiro: o Bahia, nesta quarta-feira, em Salvador. E a estratégia traçada é de manter os jogadores juntos e concentrados o tempo todo, até para a injeção de ânimo que dirigentes e comissão técnica desejam.

E MAIS: De olho no Bahia, César Sampaio torce para Barcos jogar pouco no Chile

"O jogo contra o Bahia é o divisor de águas. É o adversário mais próximo da zona de rebaixamento, um confronto direto. Por isso é o momento de somar forçar. As possibilidades que temos para frente passam por um bom resultado em Salvador", definindo o gerente de futebol César Sampaio, escolhido para dar entrevista coletiva, até poupando o elenco.

CONFIRA:  Com aproveitamento atual, Palmeiras pode "quebrar recorde" no rebaixamento

Francisco De Laurentiis
César Sampaio, dirigente do Palmeiras

Gilson Kleina tratou de fazer um discurso nacional logo após perder do Náutico, no domingo, nos Aflitos, a 18ª derrota do time em 30 rodadas do Brasileiro. "Independentemente do que acontecer, jamais vamos abaixar a cabeça e abdicar do trabalho, siso não condiz a mim e aos profissionais que estão comigo. Não posso estar dentro do jogador, mas conversamos, passamos o que vemos pela situação. Por fora, passo a maior confiança", garantiu o treinador.

Nos discursos, a tentativa é também de evitar que os jogadores se contaminem com a certeza de rebaixamento existente até em alguns torcedores. "Antes dos jogos, que os jogadores possam saber que ainda não caímos. Um bom resultado em Salvador pode nos dar o ânimo necessário para escapar dessa situação", insistiu Sampaio.

Os atletas que falaram logo depois da derrota de domingo, como Juninho, Obina e Bruno, usaram seguidamente os termos "raça", "coração" e "dar a vida". Já Kleina, ao ter que responder se a equipe só salvaria, foi simples dizendo "Sempre dá". São frases assim que o plantel tem ouvido com frequência na concentração em Recife, afastada de São Paulo, antes de viajar para Salvador após o treino da manhã desta terça-feira na Ilha do Retiro.

O Palmeiras vai cair? Deixe seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Independentemente do resultado na Bahia, a concentração seguirá com o time partindo direto na quinta-feira para Araraquara, onde enfrentará o Cruzeiro no sábado. "Agora é o momento de falar pouco, trabalhar muito e ter muito cuidado extracampo, não se expor. No meio de alguns grupos, existem pessoas que não medem as consequências, por isso estamos restringindo o extracampo para ser de casa para o treino e do treino para casa. Que qualquer atividade extra seja fechada, sem avançar muito no horário", disse Sampaio.

Até por um pedido do próprio João Vitor, o volante, que chegou a se apresentar com "hálito de cachaça" para treinar, não está com o elenco alegando fratura no pé direito. "O que sabemos que dá errado é não se cuidar e tentar mudar a situação com palavras. Assim, a tendência de o cenário se agravar é maior. É se expor menos e nos treinamentos e jogos colocar em prática algo merecedor de êxito", solicitou o gerente de futebol.

Para motivar o grupo, o dirigente chega a elogiar o desempenho do Verdão nas duas últimas derrotas, ambas por 1 a 0. "No futebol, não existe justiça, mas um empate contra o Coritiba e uma vitória no Recife, pelo que criamos, não seria absurdo. Futebol é competência e pecamos por isso, mas não sou um bom modelo de conformismo. Se me derem 0,01% de chance, vou lutar o máximo para reverter, e tento passar isso para os jogadores também", contou o ex-volante.

Com essas palavras, o Palmeiras, antepenúltimo colocado do Brasileiro, clube que mais vezes foi derrotado na competição e a nove pontos do primeiro time fora da zona de rebaixamento, tenta buscar as seis vitórias que a comissão técnica julga serem necessárias nos oito jogos que faltam para evitar disputar a Série B pela segunda vez em sua história.

Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.
Leia tudo sobre: PalmeirasCésar SampaioBrasileirão 2012

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG