Viola deixa cadeia e se defende: "Não matei, não roubei e não estuprei"

Ex-jogador do Corinthians, tetracampeão do mundo com a seleção em 1994, recebeu liberdade provisória após ficar cinco dias preso

iG São Paulo |

Futura Press
Sorridente, o ídolo do Corinthians, acena para fãs após sair da prisão

Na tarde desta quarta-feira, o ex-jogador Viola deixou a Cadeia Pública de Carapicuíba, em São Paulo, depois de passar cinco dias preso por porte ilegal de armas de fogo, desobediência judicial e violência doméstica. Com uma petição de seu advogado, Viola recebeu liberdade provisória do juiz.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

"No momento, a única coisa que eu posso fazer é dizer que estou muito cansado. Fiquei todos esses dias sem comer e sem beber. Foi muito emocionante sair da cadeia, porque sou um cara de bem. Hoje mesmo podem ligar para o meu assessor e agendar qualquer tipo de entrevista", disse Viola quando saiu da cadeia.

Leia mais:  Ídolo corintiano Viola é preso por porte ilegal de arma e desacato

"Todos vão poder falar comigo e escutar minha versão. Muitos falam o que não é verdade, e eu vivo com a verdade. Queria agradecer o apoio do pessoal da delegacia. Fomos tratados como seres humanos. Não matei, não roubei e não estuprei. Tenho bons serviços prestados ao país. Todo mundo tem demonstrando carinho. Deus é justo e a verdade vai chegar. E a partir de amanhã", acrescentou.

Veja fotos de esportistas que tiveram problemas com a Justiça:


Na noite da última sexta-feira, um oficial de justiça foi até a casa do ex-atacante, em Tamboré, mas não foi recebido. Viola teria descumprido uma ordem judicial que dava à mãe, Andreza Nunes, a guarda do filho do casal. De acordo com o delegado, o ex-jogador ameaçou a mulher de morte e falou até em suicídio.

Em sua residência foi achada uma pistola não registrada, além de carregadores e de um silenciador. Esta não é a primeira vez que Viola tem problemas por porte ilegal de armas de fogo. Em 2006, policiais encontraram uma espingarda calibre 12 com o jogador. A arma estava registrada, mas não para transporte. Na ocasião, Andreza Nunes acusou Viola de aparecer bêbado para buscar o filho.

*Com Gazeta

Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG