Felipe Anderson nega sombra de Ganso e vê confiança como razão para boa fase

Meia também lembrou que o trabalho da psicóloga do Santos, Juliane Fechio, tem lhe ajudado bastante a superar antigos problemas

Gazeta |

Elogiado pelo técnico Muricy Ramalho por suas recentes boas atuações, especialmente contra a Universidad do Chile, na decisão da Recopa Sul-americana, e diante do Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro, o meia Felipe Anderson vive um novo momento no Santos . Mais confiante, o jovem meio-campista aponta esse fator como um dos principais responsáveis pelo seu melhor rendimento nas últimas partidas.

Felipe Anderson pode ser o 10 do Santos. Comente e deixe seu recado

Divulgação
Felipe Anderson, meia do Santos

"Me faltava um pouco de confiança mesmo, isso é verdade. Eu tinha um pouco de receio de arriscar alguns lances, de vez em quando, mas tanto o professor Muricy quanto o grupo estão me dando bastante confiança. Eles sempre falam para eu ir para cima e mostrar o meu futebol. Fico muito feliz que as coisas estão começando a acontecer como eu queria e espero evoluir ainda mais, nos próximos jogos", disse Felipe Anderson, que desde antes da saída de Paulo Henrique Ganso para o São Paulo, já estava vestindo a camisa 10, devido a uma lesão do atleta.

E MAIS: Sem Neymar, Bruno Rodrigo pede que Santos se supere contra o Inter

Indagado se a "sombra" de Ganso estava atrapalhando as suas atuações na equipe, o meia santista não acredita nessa possibilidade. "Não creio que isso tenha alguma relação com a minha melhora. Tenho trabalhado forte, para errar menos. Quando você acerta nos treinos, nos jogos, tudo vai fluindo mais naturalmente. Se você erra muito, perde confiança", comentou.

CONFIRA:  Ibrahimovic elogia Neymar e diz desejar vê-lo no futebol europeu

Felipe Anderson também lembrou que o trabalho da psicóloga do clube praiano, Juliane Fechio, tem lhe ajudado bastante a superar antigos problemas, visando apenas a sua evolução dentro da equipe alvinegra. A profissional desenvolve um trabalho de apoio, não só com o meio-campista, quanto com os demais jogadores do elenco.

"Não sou só eu que faço esse trabalho, todos fazem aqui. Fui lá algumas vezes e temos conversado bastante. Ela sempre procura ver o que eu penso durante as partidas, o que eu sinto depois de receber vaias ou aplausos, e isso tem me ajudado bastante. Além disso, ela sempre pede que eu deixe outras coisa que estejam me preocupando de lado, na hora que eu estou jogando. Ela sempre me orienta a focar somente no futebol. Acho que vem dando certo", encerrou.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG