Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

Zagueiro bate na mesa e diz que Palmeiras não cai: "Vão ter que engolir!"

"Podem me cobrar", afirmou Maurício Ramos, que revela não estar nem vendo TV nos últimos dias

iG São Paulo | - Atualizada às

O zagueiro Maurício Ramos, do Palmeiras , costuma usar frases de efeito em suas entrevistas coletivas e, nesta terça-feira, em meio ao risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro , resolveu imitar Zagallo pós-conquista da Copa América 1997 com a seleção brasileira . Como o ex-técnico, o defensor alviverde avisou que calará todos os críticos com a permanência da equipe na primeira divisão nacional.

O Palmeiras conseguirá escapar do rebaixamento no Brasileirão? Opine!

"Não passa pela nossa cabeça cair porque confio. Misericórdia! Nem falo em cair porque não vamos cair. E as pessoas vão ter que engolir no fim do campeonato!", disse o camisa 15, batendo na mesa da sala de entrevista da Academia de Futebol. "Podem me cobrar, mas vão ter que engolir também! Acredito no time. Eu creio."

VEJA: Falcão rejeita acordo de 3 meses, pede "projeto" e esfria acerto com o Palmeiras

Gazeta Press
"Vão ter que me engolir também", disse Maurício

Com discurso similar ao de líderes religiosos tanto para a imprensa quanto na conversa com os jogadores, o defensor, que é um dos que estão há mais tempo no time alviverde - foi contratado em janeiro de 2009 - admite que existe certo medo no elenco. Mas ressalta a grandeza do clube com mais títulos nacionais no Brasil na história.

MAIS:  Palmeiras se refugia no interior antes de "final" contra o Figueirense

"Muitos criticam, tem pessoas que gostam e não gostam do time, mas hoje temos respeito porque somos de um clube grande. O Palmeiras é time grande", falou. "Se cheguei ao Palmeiras, é porque sou vitorioso. O meu time é vitorioso e vou defender isso da melhor maneira possível. Não tenho que entrar em campo como time pequeno. Sofri muito em time pequeno para chegar ao Palmeiras", lembrou.

LEIA:  Árbitro relata "quebradeira" e Palmeiras pode perder todos mandos no Brasileirão

É esse o tom das palavras que ele tem usado perante o grupo. São consideradas normais as caras assustadas de alguns atletas perante aos protestos com violência da torcida decorrentes da derrota de domingo para o Corinthians e a penúltima colocação do Brasileiro. Ao mesmo tempo, Maurício Ramos tem destacado que os jogadores só dependem de si para mudar o quadro.

VEJA:  Com protestos e risco de queda, Tirone pode abrir mão de reeleição no Palmeiras

"Existe o medo. Todos se cobram porque estamos em uma zona ruim, e é essa necessidade que está nos prejudicando. Se você não está bem no seu emprego, existe o medo de perdê-lo em qualquer profissão. Você não dorme, fica pensando: ‘pô, não merecíamos’. Mas fazer o quê? Correr atrás com muita confiança", indicou.

MAIS:  Premiado, diretor do Flu espera reação, mas diz que política atrapalha Palmeiras

Para seu alívio, o zagueiro sente o apoio dos dirigentes. "A diretoria acredita como nós acreditamos, e isso é o mais importante para o Palmeiras", apontou, contando que seus colegas estão focados e afastados das visões pessimistas. "O elenco não está vendo nem televisão, internet. Estamos focados em sair dessa situação e dar a volta por cima. Nós podemos", reiterou.

Ajude o Palmeiras a aumentar sua Torcida Virtual do iG Esporte

Leia tudo sobre: PalmeirasBrasileirão 2012

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG