Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

Santos e São Paulo empatam sem gols e não evoluem na classificação

Sem Neymar e Lucas, as principais estrelas de cada lado, o jogo teve muitos erros de passe e de finalização

Gazeta | - Atualizada às

Gazeta Press
Rafael e Rogério Ceni conversam na Vila Belmiro

O clássico entre Santos e São Paulo não saiu do 0 a 0, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Sem Neymar e Lucas, as principais estrelas de cada lado, o jogo teve muitos erros de passe e, nas poucas oportunidades, também de finalização. Nem a expulsão do são-paulino Denilson, aos 38 minutos do segundo tempo, mudou o panorama da partida.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

A igualdade não é boa para nenhum dos dois. O Santos chega à quarta partida sem vitória, pula para 27 pontos e pode encerrar a rodadaapenas quatro acima da zona de rebaixamento. Já o São Paulo não vence há três partidas, chega a 36 pontos e segue distante do grupo de classificação para a Copa Libertadores.

O time praiano foi para o jogo castigado por desfalques. Oito deles por lesão (além de Paulo Henrique Ganso, também Edu Dracena, Fucile, Henrique, Miralles, Paulo Henrique, Alison e Rafael Galhardo), dois a serviço da Seleção Brasileira (Neymar e Arouca), um por questões contratuais (Juan está emprestado pelo São Paulo) e outro por estar suspenso pelo terceiro cartão amarelo (Bruno Rodrigo).

Leia mais:  Antes do clássico, vice santista reforça que Ganso só sai pelo valor da multa

Sem 12 jogadores à disposição, o técnico Muricy Ramalho retomou a zaga com dois beques e recheou o meio-campo com três volantes: Éwerton Páscoa, Adriano e Gerson Magrão. Um pouco mais avançado, Felipe Anderson seria o responsável por municiar a dupla de ataque formada por André e o argentino Patito Rodríguez.

O São Paulo lamentava duas ausências. As do meia-atacante Lucas, baixa mais uma vez por estar com o selecionado nacional, e do meia Maicon, suspenso. Ney Franco poderia fazer uma única mudança em relação à rodada passada, mas, além de colocar o volante Casemiro no lugar de Maicon, sacou Paulo Assunção para voltar a usar o esquema 3-5-2, com Paulo Miranda ao lado de Rafael Toloi e Rhodolfo.

O jogo

O começo da partida, como definiria o goleiro são-paulino no intervalo, foi fria. O time visitante teve mais iniciativa nos primeiros minutos, mas permitiu que os donos da casa igualassem as ações rapidamente. Tanto que a primeira boa jogada foi santista. Gerson Magrão colocou a bola entre as pernas de Casemiro e, de fora da área, chutou por cima do gol de Rogério Ceni, aos 13 minutos.

Quatro minutos depois, Felipe Anderson tentou jogada individual à beira da área e foi tocado por Denilson. O árbitro entendeu que o meia santista havia simulado pênalti e o advertiu com cartão amarelo, para muita reclamação de Muricy Ramalho, que provavelmente também não estava satisfeito com o alto número de erros de passe no jogo.

Veja também:  Sem espaço no PSG, zagueiro Lugano já cogita mudar de clube

O Santos também errou um posicionamento da defesa aos 31 minutos. A zaga tentou fazer uma linha de impedimento e deixou Rhodolfo em condição. O zagueiro atrasou de cabeça para Luis Fabiano pegar de primeira e exigir defesa de Rafael no centro do gol. Cinco minutos mais tarde, o atacante recebeu outro passe na pequena área e driblou o goleiro, mas ficou sem ângulo e chutou para fora.

“Um jogo um pouco frio”, analisou Ceni, na descida para o vestiário. Na visão do lateral esquerdo Léo, o primeiro tempo “não teve grandes chances porque foi muito pegado”. Pela formação tática e os erros de passe das duas equipes, a bola quase não passava das intermediárias com alguma ameaça efetiva para os goleiros.

Com os dois times ligeiramente mais incisivos no segundo tempo, Ceni e Rafael tiveram um pouco mais de trabalho. Aos 14 minutos, o santista espalmou ótimo cabeceio de Luis Fabiano no canto esquerdo. Dois minutos depois, o camisa 1 são-paulino quase viu Rafael Toloi marcar contra em cruzamento rasteiro de Bruno Peres.

E mais:  Com mensagem cobrando a diretoria do Santos, CT Rei Pelé amanhece pichado

Mais tarde, quem resolveu arriscar foi Jadson. Na primeira chance, pegou rebote da entrada da área e chutou firme, para boa defesa de Rafael. Depois, foi acionado no bico direito da área e bateu cruzado e rasteiro, vendo a bola passar rente à trave direita do arqueiro santista, que já estava vendido no lance.

Aos 38 minutos, Denilson cometeu falta desnecessária na lateral, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. O técnico Ney Franco então sacou Jadson para reforçar o meio com Wellington. A essa altura, o empate já passava a ser considerado o menos ruim, em virtude das circunstâncias. Foi o que aconteceu: com um jogador a mais, o Santos pressionou, mas não mexeu no placar.

A próxima rodada leva as duas equipes de volta a campo na quarta-feira. O Santos segue na Vila Belmiro para enfrentar o Flamengo, e o São Paulo viaja a Minas Gerais, onde visita o Atlético-MG.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 0 X 0 SÃO PAULO

Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 9 de setembro de 2012 (domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza (SP)
Assistentes: Márcio Luiz Augusto e Anderson Moraes Coelho (ambos de SP)
Cartões amarelos: Felipe Anderson (Santos); Denilson e Cícero (São Paulo)
Cartão vermelho: Denilson (São Paulo)

SANTOS: Rafael; Bruno Peres, David Braz, Durval e Léo; Éwerthon Páscoa, Adriano (João Pedro), Gerson Magrão (Bernardo) e Felipe Anderson; Patito Rodríguez (Victor Andrade) e André
Técnico: Muricy Ramalho

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Toloi e Rhodolfo (Ademilson); Douglas, Casemiro, Denilson, Jadson (Wellington) e Cortez; Osvaldo (Cícero) e Luis Fabiano
Técnico: Ney Franco

Leia tudo sobre: São PauloSantosBrasileirão 2012

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG