Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

"A torcida tem todo o direito de me chamar de burro", diz Felipão

Técnico admite que time não está jogando bem e transfere a responsabilidade das derrotas para si

Gazeta |

No apito final do 0 a 0 com o Grêmio que ratificou o Palmeiras na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro , uma criança chorou, abraçando o pai em busca de consolo nas numeradas cobertas do Pacaembu nesse sábado. A cena reflete que a torcida, ainda, não opta por protestar contra o time. Mas Luiz Felipe Scolari já avisa: podem responsabilizá-lo pelos problemas.

Veja fotos dos jogos deste sábado:


Deixe o seu recado e comente a notícia com outros internautas

"Eles têm todo o direito nesse momento de me chamar de burro. O time não está jogando bem e quem escolhe os jogadores e a parte tática sou eu. Se temos uma ou outra dificuldade, a maioria dos jogadores foi escolhida por mim. Portanto, se está dando errado...", declarou o técnico.

Leia mais: Mesmo com um a mais desde o 1º tempo, Palmeiras fica no 0 a 0 com o Grêmio

A rejeição ao nome do treinador existia antes da conquista da Copa do Brasil, há menos de dois meses. Mas o ambiente mudou com o primeiro título nacional do clube desde a Copa dos Campeões de 2000. Como fruto da conquista ou pela necessidade de apoio do time para evitar o segundo rebaixamento de sua história, a torcida tem colaborado. O público presente nas partidas do clube aumentou com a decisão da diretoria em deixar de mandar jogos na Arena Barueri, voltando à capital para atuar no Pacaembu.

Confira ainda: Felipão lamenta falta de gols, mas vê pontos positivos no empate

O clima ainda é mais de apreensão pela situação na tabela do que de revolta. Ciente de que tudo pode mudar, Scolari agradece. "Fico feliz que não tenham me chamado de burro. Mas, se tivessem chamado, não mudaria nada. Fazemos o que temos, vamos ver até quando vamos suportar isso em nosso ambiente", afirmou.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG