Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

Defensor do 'chute no traseiro' diz que críticas foram necessárias

Jérome Valcke, secretário geral da Fifa, diz que críticas à organização do Brasil para a Copa 2014 são feitas para 'corrigir projetos'

Reuters |

Reuters

Getty Images
Ronaldo e Valcke nas obras do estádio de Cuiabá para a Copa de 2012

Após duras críticas à preparação do Brasil para a Copa 2014, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, amenizou o tom nesta quarta-feira, durante visita a Cuiabá, e disse que suas avaliações são "necessárias" para a realização do evento.

Concorda com a postura de Valcke? Deixe seu comentário

"Fiz críticas necessárias e elas serão feitas para corrigir projetos", disse Valcke a jornalistas depois da visita ao estádio de Cuiabá, que receberá quatro partidas do Mundial.

Em março, o secretário-geral da entidade que controla o futebol mundial chegou a afirmar que o Brasil precisava de um "chute no traseiro" para avançar nos preparativos da Copa, o que gerou atrito com o governo e pedidos de desculpas por parte da Fifa.

Nos últimos meses, Valcke tem adotado um discurso mais ameno e na mais recente visita ao país, esta semana, elogiou as obras em Manaus e em Cuiabá. Na quinta-feira, ele avalia as obras no Rio de Janeiro.

Leia ainda: Ronaldo e Jérome Valcke visitam obras do estádio de Cuiabá

"Cuiabá terá condições de impressionar o mundo...está tudo encaminhado", afirmou ele sobre a percepção dos projetos da Copa no Mato Grosso, cujo estádio em Cuiabá, a Arena Pantanal, está com 47 por cento de obra realizada.

Valcke destacou a importância do Mundial como uma oportunidade para atrair investimentos.

O secretário executivo do Ministério dos Esportes, Luís Fernandes, que acompanhou a visita em Manaus e em Cuiabá, reforçou o bom relacionamento atual entre o governo e a Fifa e disse que a capital do Mato Grosso e as demais cidades-sede serão outra após a Copa.

"Não só por supreender o mundo com o evento, mas como quem soube investir no valor material e imaterial", declarou.

"Para o governo federal, a Copa do Mundo não é apenas um evento desportivo, é antes de mais nada uma oportunidade para levar adiante o desenvolvimento do país. Ela nos permite não apenas investir em infraestruturas mas também em talentos humanos, que vão muito além do talento desportivo", acrescentou.

Futura Press
Ronaldo dá autógrafos para operários da obra do estádio da Copa 2014 em Cuiabá


Leia tudo sobre: Copa 2014FifaJérome ValckeCBFCOL

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG