Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

Promotoria bane Torcida Jovem do Flamengo dos estádios

Recentes episódios de violência, que culminaram com a morte de um torcedor rival, motivaram a punição, válida por seis meses

iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Futura Press
Flamenguistas na Gávea

A 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva e Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Comarca da Capital do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro celebrou nesta terça-feira (28) Compromisso de Ajustamento de Conduta que estabelece o banimento dos estádios, por seis meses, da Torcida Jovem do Flamengo.

Leia também: Brigas entre torcedores do Fla e Vasco terminam com um morto e dois baleados

A suspensão tem início já a partir de hoje e será válida pelos jogos do returno do Campeonato Brasileiro e início da Taça Guanabara, em 2013 e em todo o território nacional. A punição é semelhante à aplicada à Força Jovem do Vasco semana passada.

Os recentes episódios de violência envolvendo as torcidas motivaram a aplicação da medida. A Promotoria já havia instaurado inquérito civil para investigar se a morte do torcedor do Vasco Diego Martins Leal foi uma retaliação ao ocorrido com Bruno de Santa Ana Saturnino, torcedor do Flamengo assassinado em maio deste ano.

Leia também: Torcida Young Flu pode ser proibida de entrar nos estádios

O banimento por seis meses proíbe o uso de faixas, bandeiras, instrumentos musicais e camisas da agremiação durante as partidas do clube. O descumprimento de qualquer obrigação implicará multa de R$ 5 mil, além de novas suspensões.

 Ao admitir o banimento por seis meses e assinar o compromisso, a torcida organizada evitou o ajuizamento de Ação Civil Pública (ACP), que poderia resultar em seu banimento por até três anos, de acordo com o Estatuto do Torcedor.

Não haverá a proibição do ingresso individual de nenhum torcedor nos estádios, por depender do Ministério do Esporte, que se comprometeu a cadastrar os torcedores, investir na identificação biométrica dos frequentadores e instalar catracas eletrônicas nos principais estádios, através do programa “Torcida Legal”, mas que ainda não foi realizado no Rio de Janeiro.

Leia tambémTorcedores do Fluminense suspeitos de agredir vascaínos vão para presídio

No entanto, a torcida organizada deve apresentar ao Grupamento Especial da Polícia dos Estádios (Gepe), em até 30 dias, o nome de todos os líderes, sublíderes e lideranças de bairro para que sejam cadastrados e assinem termo se comprometendo a cumprir as regras do TAC das Torcidas, sob pena de responsabilidade pessoal por qualquer descumprimento.

O compromisso foi levado às lideranças da Torcida Jovem do Flamengo, segunda-feira, pelo promotor de Justiça Pedro Rubim Borges Fortes, que estipulou um prazo de 24 horas para a assinatura do termo, cumprido na tarde desta terça-feira.

Leia tambémTorcida organizada do Vasco é suspensa por morte de flamenguista

De acordo com o inquérito instaurado pelo 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva e Defesa do Consumidor, a torcida organizada do Flamengo, na chegada ao Estádio João Havelange, teria entoado o grito de guerra “Bonde do Feio”, supostamente em referência ao torcedor Bruno, morto após ter sido espancado por integrantes da Força Jovem do Vasco, no dia 5 de maio deste ano.

O inquérito apura a responsabilidade coletiva da Torcida Jovem do Flamengo pela morte do torcedor e a hipótese de ter sido uma vingança contra a Força Jovem do Vasco, e não interfere com a apuração criminal, ainda em fase de inquérito na delegacia.

“Em função da simetria dos casos envolvendo as duas torcidas que resultaram na morte de torcedores durante a dispersão ou deslocamento para o estádio, com característica de emboscada, foi dado tratamento semelhante às agremiações. A medida tem por objetivo interromper o ciclo de violência e de vingança entre os torcedores”, explicou o promotor de Justiça.

Estas foram as duas mortes por violência de torcedores durante o deslocamento até jogos de futebol registradas desde a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta das Torcidas, em junho de 2011.

Desde junho do ano passado, já foram aplicadas 22 suspensões a torcidas organizadas que se envolveram em episódios violentos. Essas duas últimas implicaram em pena maior, com banimento por seis meses dos estádios.

Antes dessas duas punições, a Fúria Jovem do Botafogo sofreu quatro suspensões, ficando impedida de ir a 17 jogos. A Young Flu foi banida por oito jogos após três suspensões. A Força Flu foi penalizada duas vezes com suspensão de cinco partidas.

À Torcida Jovem do Flamengo foram aplicadas uma pena de advertência e mais quatro suspensões, o que a impediu de participar de 18 jogos. A Urubuzada foi penalizada uma vez com dois jogos de suspensão. A União Vascaína foi suspensa uma vez, perdendo um jogo, e a Força Jovem do Vasco acumulava quatro suspensões e dez jogos perdidos.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG