Tamanho do texto

Ação publicitária com camisas de São Paulo e Corinthians causa polêmica no Pacaembu.

Equipes compostas por
Divulgação
Equipes compostas por "atores" de Corinthians e São Paulo entram em campo antes do clássico Palmeiras x Santos

Pouco antes de a bola rolar no estádio do Pacaembu neste sábado, os torcedores de Palmeiras e Santos foram surpreendidos com uma ação publicitária polêmica. Uma empresa de seguros utilizou atores vestidos com as camisas de São Paulo e Corinthians - e outros até com o uniforme da arbitragem - para uma campanha que proporcionou reclamações de vários lados. O acordo rendeu R$ 100 mil aos cofres palmeirenses e santistas.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Inicialmente, a Zurich Seguros, marca responsável pela iniciativa, procurou o Palmeiras com a ajuda da Adidas, a fornecedora de material esportivo do clube. Em seguida, a direção palmeirense entrou em contato com a diretoria do Santos para expandir o acordo.

Veja também: Neymar quebra tabu e Palmeiras termina turno na zona da degola

Na entrada dos atores no gramado do Pacaembu, houve a tradicional queima de fogos para simular uma partida real. Até mesmo o placar eletrônico do estádio foi utilizado para passar a escalação de corintianos e são-paulinos, que jogam apenas neste domingo pelo Campeonato Brasileiro.

Confira a classificação atualizada do Brasileirão

Os times irreais chegaram a se posicionar para o início do confronto e, no apito inicial da arbitragem, foi aberta uma bandeira gigante com a mensagem: "Ainda não inventamos seguro contra alterações no calendário. Mas você pode contar com a Zurich Seguros para cuidar dos seus bens, da sua vida e do seu futuro".

Como previsto, os palmeirenses e santistas que foram ao Pacaembu não perdoaram e esbravejaram com a presença das camisas "rivais" no gramado. Curiosamente, a empresa promete, por fim, um vídeo institucional no Youtube com a reação dos torcedores por causa da brincadeira.

Nos bastidores do Palmeiras, o acordo também foi alvo de críticas. O grupo de oposição ao presidente Arnaldo Tirone considerou R$ 100 mil um valor muito baixo para "dar propaganda grátis a São Paulo e Corinthians".