'Para mim, não chega qualquer tipo de pedido para evitar convocações. Mas será que o São Paulo reclama quando o Lucas é vendido', comentou o presidente da CBF

Marin ironiza e diz que aceita pedido por escrito de times que não querem jogadores na seleção
Futura Press
Marin ironiza e diz que aceita pedido por escrito de times que não querem jogadores na seleção

A recorrente cobrança de clubes em relação à perda de jogadores para a seleção brasileira em momentos importantes começa a tirar a paciência de José Maria Marin, atual presidente da CBF (Confederação Brasileira de futebol). Por isso, o dirigente lançou na quinta-feira - dia inicialmente reservado para uma festa com a visita à Arena Palestra Itália, futura casa do Palmeirasuma provocação :

Você acha que a seleção pode atrapalhar os clubes? Deixe seu recado

"Para mim, não chega qualquer tipo de pedido para evitar convocações. Mas será que o São Paulo reclama quando o Lucas é vendido ou o Inter questiona quando o Oscar vai para o Chelsea?", dispara o mandatário.

Leia mais:  Marin elogia lista de Mano, reitera apoio e evita polêmicas com Romário

Marin considera a seleção brasileira a maior vitrine para os jogadores buscarem o futebol europeu e o tão esperado reforço na conta bancária. No projeto da Olimpíada, as maiores reclamações das convocações partiram do Santos, que perdeu Paulo Henrique Ganso e Neymar.

Em função dos desfalques, a agremiação da Vila Belmiro iniciou o Campeonato Brasileiro de forma desastrosa, beirando a zona de rebaixamento. Agora, com o retorno das estrelas, consegue um período de ascensão. "O clube que não deseja ter seus jogadores convocados deve me mandar por escrito. Vamos estudar e posso até aceitar", diz Marin, em tom irônico.

Veja ainda:  Mano surpreende e convoca Arouca e Cássio para amistosos da seleção

Por fim, Marin apela ao emocional para se aproximar dos torcedores comuns e repete o discurso de responsabilidade para os atletas que defendem as cores da Seleção Brasileira. O presidente da CBF rejeita qualquer jogador que atue pelo País com um sentimento de obrigação.

"Não quero ninguém lá sem prazer e alegria. Eu cobro principalmente comprometimento ao grupo", encerra o polêmico dirigente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.