Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google

Goleiro brasileiro coloca pequeno Bastia à frente do PSG e pede vaga na seleção

Ídolo na ilha da Córsega, na França, arqueiro Magno Novaes conta ao iG o que muda no Campeonato Francês com os milhões do Paris Saint-Germain

Francisco De Laurentiis - iG São Paulo |

Durante a pré-temporada do futebol europeu, o Paris Saint-Germain, da França , chocou o mundo da bola ao contratar em poucos dias reforços como Ibrahimovic , Thiago Silva , Lucas e Lavezzi . Com dinheiro vindo de um grupo de investimentos do Catar, o time da capital francesa quer tornar-se uma potência europeia, e vai buscar de cara o título da Liga dos Campeões. No Campeonato Francês , porém, a equipe parisiense é apenas 12ª na tabela de classificação, com dois empates em dois jogos. E quem está tirando onda é um brasileiro.

Deixe seu recado e comente a entrevista de Magno Novaes com outros internautas

O goleiro Magno Novaes é titular da meta do pequeno Bastia, clube recém-promovido à primeira divisão após sete anos de ausência. Ídolo local, o jogador curte o bom momento da equipe, que ganhou seus dois jogos até agora (triunfos por 3 a 2 sobre o Sochaux, fora de casa, e 2 a 1 sobre o Stade de Reims, em casa) e está na zona de classificação para a próxima Champions League .

MAIS SOBRE MAGNO:  Na terra de Napoleão, "paredão" brasileiro vira rei do acesso

Divulgação
Magno comemora vitória do Bastia no Francês

"A sensação (de estar na frente do PSG) é boa, mas acho que isso não vai durar muito tempo, não (risos). Ficar na frente hoje não quer dizer nada. Se a gente terminar na frente deles no final do campeonato, aí é outra história!", diz Magno Novaes ao iG . Eleito o melhor goleiro da Segunda Divisão na última temporada , quando foi decisivo na campanha do título e da subida do Bastia à Ligue 1 francesa, o brasileiro diz que mal pode esperar para cruzar com os craques do Paris Saint-Germain em campo.

Confira tudo sobre futebol francês no Le Blog du Foot

"É ótimo jogar contra caras bons, pois só assim a gente pode se testar, ver o nível que a gente está e procurar melhorar", diz o arqueiro, que não considera impossível fazer campanha melhor que os ricaços de Paris: "Talento custa caro, mas motivação é de graça!", ressalta Magno. Ele jogou nos juvenis do Bahia e do Corinthians antes de atuar por um ano pelo Democrata-MG e em seguida partir para a Europa tentar a sorte no futebol. Acabou se encontrando na ilha da Córsega, localizada no mar Mediterrânio, à sudeste da costa francesa, e  ajudou a tirar o centenária Bastia do buraco e recolocá-lo na Primeira Divisão .

CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO COMPLETA DO CAMPEONATO FRANCÊS

Vivendo grande fase aos 29 anos, o goleiro chega até a sonhar com uma vaga na seleção brasileira , já que o técnico Mano Menezes não consegue encontrar um titular de confiança e até já admitiu que "não há unanimidades" para ocupar a meta da equipe nacional . "Eu sempre sonhei com uma convocação, quem não sonha? Nunca pensei que isso pudesse se realizar... Mas a esperança é a ultima que morre", afirma. Confira a entrevista de Magno Novaes :

iG: Como foi a preparação do Bastia para enfrentar a Primeira Divisão?
Magno : Foi muito boa. Fizemos jogos amistosos contra times de bom nível e contratamos jogadores conhecidos, como o (atacante) Ilan, que jogou no Brasil (Atlético-PR, Paraná, São Paulo e Internacional), na seleção brasileira, e o (zagueiro) Sylvain Marchal. O time ainda está tomando forma, mas está todo mundo muito motivado por estar jogando a Ligue 1 depois de tantas dificuldades. Também não tivemos muitas mudanças no elenco. Chegaram seis reforços, e poucos atletas foram embora, só uns três ou quatro.

iG: E o começo de Ligue 1 com duas vitórias em dois jogos, é surpresa ou esperado?
Magno : É uma surpresa! Mas tem uma coisa: a gente não joga pra não perder, mas sim para ganhar. E quando você joga para ganhar, as coisas acabam dando certo. Mas ainda é início de temporada, tem que ter calma. Os times ainda não estão prontos, e nós (do Bastia), por termos chegado com o time arrumado, bem montado na Segunda Divisão, teve certa vantagem. Os jogos (contra Sochaux e Stade de Reims) foram difíceis, levamos gols bobos de bola parada, em jogadas de escanteio. Tivemos também um pouco de sorte, mas nossa vontade de ganhar prevaleceu. Quando a gente subiu para a Primeira Divisão, óbvio que não esperava ter um começo desses, mas temos que ser realistas. Ainda vamos passar muitas dificuldade e sofrer muito. Mas, por enquant,o está tudo ótimo! (risos)

Divulgação
"A gente joga pra ganhar", diz Magno sobre o Bastia

iG: Qual é a sensação de estar na frente do poderoso Paris Saint-Germain?
Magno : É boa, mas acho que isso não vai durar muito tempo, não (risos). Os times grandes sempre começam com mais dificuldades, pois contratam muito na janela e precisam de tempo para se acertar. Ficar na frente do PSG hoje ainda não quer dizer nada, é temporário. Se a gente terminar na frente deles no final do campeonato é outra história, mas não estamos pensando nisso, não.

iG: Como acha que serão os jogos contra o PSG? Eles são favoritos ao título?
Magno: O Campeonato Francês tem duas "velocidades". Tem a "velocidade" dos times que jogam pra ser campeões, como o PSG, Lyon, Olympique de Marseille, Bordeaux, e a segunda "velocidade", que é a dos que lutam pra ficar na Primeira Divisão. Nós estamos nesse segundo grupo. Esse jogos contra o PSG e os times grandes serão a nossa Liga dos Campeões. Temos que jogar como se fosse jogo de Champions . E tem que ter prazer em jogar contra esses jogadores famosos, como o Ibrahimovic. É ótimo jogar contra caras bons, pois só assim a gente pode se testar, ver o nível que a gente está e procurar melhorar. Para mim, os favoritos ao título são PSG e Lyon, mas, como a gente tem visto, surpresas sempre podem acontecer. Espero que esse ano a surpresa seja a gente!

iG: Qual o real objetivo do Bastia no Francês? E qual é seu objetivo pessoal?
Magno : Se a gente acabar em 5°, já é como se fosse campeão (risos). A gente quer ficar na Primeira Divisão, de preferência na parte de cima da tabela, pra assim acertar as finanças do time. Com sorte, esperamos fazer um grande campeonato e conquistar uma vaga em competição europeia. Quanto a mim, fui muito bem nas divisões inferiores, mas agora a coisa ficou muito mais difícil. A Primeira Divisão tem jogadores de altíssimo nível e que complicam muito a vida dos goleiros. Mas, antes de pensar em mim, só quero saber de ajudar o time a fazer um bom campeonato. O importante mesmo é ficar na Ligue 1 . O resto é consequência disso.

iG: O que achou dessa entrada de dinheiro no PSG? É bom ver o Campeonato Francês em alta, sendo transmitido em vários canais de TV internacionais?
Magno : É ótimo! Agora que estamos na Primeira Divisão, é a chance de tornar o nosso time e nossos jogadores conhecidos para o mundo. Eu acho bom que os clubes franceses tragam mais jogadores conhecidos, para valorizar ainda mais esse campeonato, que eu acho de alto nível. O Campeonato Francês é diferente dos outros. O Inglês é o mais intenso, enquanto o espanhol é o mais técnico. O francês é um pouco parecido com o Italiano, pois é muito tático.

Divulgação
Magno: ídolo em sua quinta temporada pelo Bastia

iG: Acha justo que alguns times gastem tanto e outros não possam gastar quase nada?
Magno : Não vejo mal um time ter mais dinheiro que o outro. Ter times ricos é importante para o campeonato, valoriza o torneio e também motiva as outras equipes a buscarem apoio e patrocindores para poderem brigar de igual pra igual. Claro que há um abismo entre nós (times menores) e os grandes, pois a gente não pode gastar o mesmo que eles, mas temos que compensar com força de vontade. A partir do momento que os jogadores estão comprometidos, dá pra ir longe. Talento custa caro, mas motivação é de graça! Hoje em dia, muitos clubes pequenos, mas bem motivados, conseguem superar times mais poderosos.

iG: A seleção brasileira vive crise no gol. Acha que tem chance de ser convocado?
Magno : É muito difícil, principalmente pela idade (29 anos)! Primeiro, tenho que fazer um excelente campeonato nesta temporada e me destacar. Mas, ainda assim, tem outros goleiros que já foram chamados e têm portas mais abertas na seleção do que a minha. Eu sempre sonhei com uma convocação, quem não sonha? Nunca pensei que isso pudesse se realizar... Mas a esperança é a ultima que morre (risos). Não é uma coisa que me deixa louco, não fico pensando nisso o tempo todo. É algo que, se vier, é lucro do meu bom trabalho.

iG: Você é idolatrado em Bastia e a torcida ama o time. Como está o clima neste ano?
Magno: A torcida está muito animada. Todos os ingressos da temporada já estão vendidos de maneira antecipada, principalmente pelo fato do time voltar a Primeira Divisão depois de sete anos. Vamos ter casa cheia o ano todo! Quanto a mim, continuam tendo carinho do mesmo jeito, e eu espero retribuir da melhor forma possível para garantir o sorriso do pessoal.

Leia tudo sobre: Futebol MundialFrançaSeleção Brasileira

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG