Ídolo na ilha da Córsega, na França, arqueiro Magno Novaes conta ao iG o que muda no Campeonato Francês com os milhões do Paris Saint-Germain

Durante a pré-temporada do futebol europeu, o Paris Saint-Germain, da França , chocou o mundo da bola ao contratar em poucos dias reforços como Ibrahimovic , Thiago Silva , Lucas e Lavezzi . Com dinheiro vindo de um grupo de investimentos do Catar, o time da capital francesa quer tornar-se uma potência europeia, e vai buscar de cara o título da Liga dos Campeões. No Campeonato Francês , porém, a equipe parisiense é apenas 12ª na tabela de classificação, com dois empates em dois jogos. E quem está tirando onda é um brasileiro.

Deixe seu recado e comente a entrevista de Magno Novaes com outros internautas

O goleiro Magno Novaes é titular da meta do pequeno Bastia, clube recém-promovido à primeira divisão após sete anos de ausência. Ídolo local, o jogador curte o bom momento da equipe, que ganhou seus dois jogos até agora (triunfos por 3 a 2 sobre o Sochaux, fora de casa, e 2 a 1 sobre o Stade de Reims, em casa) e está na zona de classificação para a próxima Champions League .

MAIS SOBRE MAGNO:  Na terra de Napoleão, "paredão" brasileiro vira rei do acesso

Magno comemora vitória do Bastia no Francês
Divulgação
Magno comemora vitória do Bastia no Francês

"A sensação (de estar na frente do PSG) é boa, mas acho que isso não vai durar muito tempo, não (risos). Ficar na frente hoje não quer dizer nada. Se a gente terminar na frente deles no final do campeonato, aí é outra história!", diz Magno Novaes ao iG . Eleito o melhor goleiro da Segunda Divisão na última temporada , quando foi decisivo na campanha do título e da subida do Bastia à Ligue 1 francesa, o brasileiro diz que mal pode esperar para cruzar com os craques do Paris Saint-Germain em campo.

Confira tudo sobre futebol francês no Le Blog du Foot

"É ótimo jogar contra caras bons, pois só assim a gente pode se testar, ver o nível que a gente está e procurar melhorar", diz o arqueiro, que não considera impossível fazer campanha melhor que os ricaços de Paris: "Talento custa caro, mas motivação é de graça!", ressalta Magno. Ele jogou nos juvenis do Bahia e do Corinthians antes de atuar por um ano pelo Democrata-MG e em seguida partir para a Europa tentar a sorte no futebol. Acabou se encontrando na ilha da Córsega, localizada no mar Mediterrânio, à sudeste da costa francesa, e  ajudou a tirar o centenária Bastia do buraco e recolocá-lo na Primeira Divisão .

CONFIRA A CLASSIFICAÇÃO COMPLETA DO CAMPEONATO FRANCÊS

Vivendo grande fase aos 29 anos, o goleiro chega até a sonhar com uma vaga na seleção brasileira , já que o técnico Mano Menezes não consegue encontrar um titular de confiança e até já admitiu que "não há unanimidades" para ocupar a meta da equipe nacional . "Eu sempre sonhei com uma convocação, quem não sonha? Nunca pensei que isso pudesse se realizar... Mas a esperança é a ultima que morre", afirma. Confira a entrevista de Magno Novaes :

iG: Como foi a preparação do Bastia para enfrentar a Primeira Divisão?
Magno : Foi muito boa. Fizemos jogos amistosos contra times de bom nível e contratamos jogadores conhecidos, como o (atacante) Ilan, que jogou no Brasil (Atlético-PR, Paraná, São Paulo e Internacional), na seleção brasileira, e o (zagueiro) Sylvain Marchal. O time ainda está tomando forma, mas está todo mundo muito motivado por estar jogando a Ligue 1 depois de tantas dificuldades. Também não tivemos muitas mudanças no elenco. Chegaram seis reforços, e poucos atletas foram embora, só uns três ou quatro.

iG: E o começo de Ligue 1 com duas vitórias em dois jogos, é surpresa ou esperado?
Magno : É uma surpresa! Mas tem uma coisa: a gente não joga pra não perder, mas sim para ganhar. E quando você joga para ganhar, as coisas acabam dando certo. Mas ainda é início de temporada, tem que ter calma. Os times ainda não estão prontos, e nós (do Bastia), por termos chegado com o time arrumado, bem montado na Segunda Divisão, teve certa vantagem. Os jogos (contra Sochaux e Stade de Reims) foram difíceis, levamos gols bobos de bola parada, em jogadas de escanteio. Tivemos também um pouco de sorte, mas nossa vontade de ganhar prevaleceu. Quando a gente subiu para a Primeira Divisão, óbvio que não esperava ter um começo desses, mas temos que ser realistas. Ainda vamos passar muitas dificuldade e sofrer muito. Mas, por enquant,o está tudo ótimo! (risos)

Divulgação
"A gente joga pra ganhar", diz Magno sobre o Bastia

iG: Qual é a sensação de estar na frente do poderoso Paris Saint-Germain?
Magno : É boa, mas acho que isso não vai durar muito tempo, não (risos). Os times grandes sempre começam com mais dificuldades, pois contratam muito na janela e precisam de tempo para se acertar. Ficar na frente do PSG hoje ainda não quer dizer nada, é temporário. Se a gente terminar na frente deles no final do campeonato é outra história, mas não estamos pensando nisso, não.

iG: Como acha que serão os jogos contra o PSG? Eles são favoritos ao título?
Magno: O Campeonato Francês tem duas "velocidades". Tem a "velocidade" dos times que jogam pra ser campeões, como o PSG, Lyon, Olympique de Marseille, Bordeaux, e a segunda "velocidade", que é a dos que lutam pra ficar na Primeira Divisão. Nós estamos nesse segundo grupo. Esse jogos contra o PSG e os times grandes serão a nossa Liga dos Campeões. Temos que jogar como se fosse jogo de Champions . E tem que ter prazer em jogar contra esses jogadores famosos, como o Ibrahimovic. É ótimo jogar contra caras bons, pois só assim a gente pode se testar, ver o nível que a gente está e procurar melhorar. Para mim, os favoritos ao título são PSG e Lyon, mas, como a gente tem visto, surpresas sempre podem acontecer. Espero que esse ano a surpresa seja a gente!

iG: Qual o real objetivo do Bastia no Francês? E qual é seu objetivo pessoal?
Magno : Se a gente acabar em 5°, já é como se fosse campeão (risos). A gente quer ficar na Primeira Divisão, de preferência na parte de cima da tabela, pra assim acertar as finanças do time. Com sorte, esperamos fazer um grande campeonato e conquistar uma vaga em competição europeia. Quanto a mim, fui muito bem nas divisões inferiores, mas agora a coisa ficou muito mais difícil. A Primeira Divisão tem jogadores de altíssimo nível e que complicam muito a vida dos goleiros. Mas, antes de pensar em mim, só quero saber de ajudar o time a fazer um bom campeonato. O importante mesmo é ficar na Ligue 1 . O resto é consequência disso.

iG: O que achou dessa entrada de dinheiro no PSG? É bom ver o Campeonato Francês em alta, sendo transmitido em vários canais de TV internacionais?
Magno : É ótimo! Agora que estamos na Primeira Divisão, é a chance de tornar o nosso time e nossos jogadores conhecidos para o mundo. Eu acho bom que os clubes franceses tragam mais jogadores conhecidos, para valorizar ainda mais esse campeonato, que eu acho de alto nível. O Campeonato Francês é diferente dos outros. O Inglês é o mais intenso, enquanto o espanhol é o mais técnico. O francês é um pouco parecido com o Italiano, pois é muito tático.

Magno: ídolo em sua quinta temporada pelo Bastia
Divulgação
Magno: ídolo em sua quinta temporada pelo Bastia

iG: Acha justo que alguns times gastem tanto e outros não possam gastar quase nada?
Magno : Não vejo mal um time ter mais dinheiro que o outro. Ter times ricos é importante para o campeonato, valoriza o torneio e também motiva as outras equipes a buscarem apoio e patrocindores para poderem brigar de igual pra igual. Claro que há um abismo entre nós (times menores) e os grandes, pois a gente não pode gastar o mesmo que eles, mas temos que compensar com força de vontade. A partir do momento que os jogadores estão comprometidos, dá pra ir longe. Talento custa caro, mas motivação é de graça! Hoje em dia, muitos clubes pequenos, mas bem motivados, conseguem superar times mais poderosos.

iG: A seleção brasileira vive crise no gol. Acha que tem chance de ser convocado?
Magno : É muito difícil, principalmente pela idade (29 anos)! Primeiro, tenho que fazer um excelente campeonato nesta temporada e me destacar. Mas, ainda assim, tem outros goleiros que já foram chamados e têm portas mais abertas na seleção do que a minha. Eu sempre sonhei com uma convocação, quem não sonha? Nunca pensei que isso pudesse se realizar... Mas a esperança é a ultima que morre (risos). Não é uma coisa que me deixa louco, não fico pensando nisso o tempo todo. É algo que, se vier, é lucro do meu bom trabalho.

iG: Você é idolatrado em Bastia e a torcida ama o time. Como está o clima neste ano?
Magno: A torcida está muito animada. Todos os ingressos da temporada já estão vendidos de maneira antecipada, principalmente pelo fato do time voltar a Primeira Divisão depois de sete anos. Vamos ter casa cheia o ano todo! Quanto a mim, continuam tendo carinho do mesmo jeito, e eu espero retribuir da melhor forma possível para garantir o sorriso do pessoal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.