Justiça concede ao Baixinho percentual sobre vendas de Eder, Dedé, Bastos e Nilton. Clube promete recorrer

A briga entre Vasco e Romário parece não ter fim. Na última quarta-feira, a Justiça do Trabalho concedeu ao ex-jogador a penhora de cinco por cento dos direitos econômicos de Fellipe Bastos, Dedé, Eder Luis e Nilton. Tudo em razão de uma dívida cobrada pelo ex-atacante com o clube. Além do valor em cima de possíveis negociações dos atletas citados, as cotas do patrocinador máster cruzmaltino também estão suspensas. O Vasco promete recorrer.

Romário atende fãs na Assembléia Legislativa de São Paulo
Paulo Passos/iG
Romário atende fãs na Assembléia Legislativa de São Paulo

O Baixinho cobra na Justiça uma quantia, que, segundo seus advogados, seria atualmente de R$ 58 milhões. O ex-jogador e hoje deputado federal (PSB-RJ) teria uma confissão de dívida assinada pelo ex-presidente Eurico Miranda avaliada neste valor. O documento, assinado em 2004, era de R$ 22 milhões antes dos reajustes. O Vasco, por sua vez, já havia decidido contra-atacar, exigindo que Romário comprove a dívida, e mais: pede ressarcimento dos R$ 8 milhões já pagos neste meio tempo caso ele não apresente provas.

Leia mais:  Vasco recebe Coritiba tentando reagir após derrota em duelo direto

Entre os anos de 2003 e 04, Romário teria emprestado R$ 22 milhões a Eurico. O clube, em dívida, atravessava grave crise e a relação entre cartola e jogador foi o caminho encontrado para amenizar a saúde financeira do Vasco. Na época, ficou acertado que o atacante receberia este valor em parcelas mensais durante 20 anos.

Veja também:  Fernando Prass quer vitória para confirmar boa campanha do Vasco

Pelo acordo, o dinheiro sairia direto das cotas do Clube dos 13 para o bolso do deputado. Ao assumir o clube, em 2008, o atual presidente, Roberto Dinamite, exigiu que o ex-jogador apresentasse documentos que comprovassem o empréstimo. Segundo Roberto e o departamento jurídico do clube, inúmeros tentativas foram feitas com o Baixinho e as pessoas que defendem seus interesses. Mas o Vasco não obteve êxito em nenhuma delas.

Romário, de acordo com a diretoria cruzmaltina, jamais atendeu às solicitações vascaínas. De modo que a partir de agora quem está movendo ação para reaver parte do que foi pago ao Baixinho é o clube.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.