Apesar de ter pendurado as luvas, ex-goleiro segue representando o Palmeiras como embaixador

Ídolo da torcida do Palmeiras , Marcos abandonou a carreira no início deste ano. Nesta sexta-feira, o ex-goleiro fez um balanço destes sete meses afastado do futebol profissional e, ao contrário do que dizem muitos jogadores que passam por esta situação, disse que esperava "sofrer mais" com a aposentadoria.

"São" Marcos está fazendo muita falta ao Palmeiras? Comente!

"Quando eu parei, achei que iria sofrer mais. Mas parei na hora certa e uma das coisas mais gratificantes é quando eu vou para a Academia de Futebol e para os jogos do Palmeiras. Às vezes sinto falta da resenha, do bate-papo com os jogadores, com o Felipão, com o (gerente de futebol César) Sampaio, com os funcionários, com os porteiros. Sempre que eu posso, vou ao CT para fazer isso, tomar um cafézinho e falar com a rapaziada. Nunca esqueço do Palmeiras", declarou.

VEJA: Bem recebido no Vitória, Deola evita falar de saída do Palmeiras

Marcos chorou muito no dia em que anunciou a aposentadoria, mas agora está recuperado
Gazeta Press
Marcos chorou muito no dia em que anunciou a aposentadoria, mas agora está recuperado

Marcos completa 39 anos neste sábado e três dias depois lançará sua biografia, intitulada "Nunca fui Santo" e escrita pelo jornalista Mauro Beting. Em entrevista ao site oficial do Palmeiras, o ex-goleiro, chamado de "santo" pela torcida, explicou o motivo do nome do livro.

MAIS:  Felipão diz que torceu por rival e se esquiva sobre renovação

"Dizem que fui santo debaixo do gol, mas eu fiz o que foi possível ali debaixo das traves. Acho que o nome do livro evidencia mais a minha carreira, minha infância, o decorrer da minha vida. Quando eu era moleque, até dar os primeiros passos no Palmeiras, eu era terrível", comentou.

LEIA:  Após noite ruim, Marcos Assunção promete treinar mais cobranças de falta

Mesmo já afastado dos gramados, o ex-jogador, que atualmente trabalha como embaixador do Palmeiras, disse que o título da Copa do Brasil, conquistado no mês passado, foi um dos que mais o deixou emocionado. "Mesmo como embaixador, foi um dos momentos mais felizes da minha carreira. Esse time merecia ganhar, o Felipão, os torcedores. Minha filha, meus amigos, os parentes. Ninguém aguentava mais ficar sem ganhar nada. Esse título foi um dos mais importantes da história do Palmeiras", disse.

Ajude o Palmeiras a aumentar sua Torcida Virtual do iG Esporte

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.