Setor mais popular é habitualmente ocupado por torcida que vem protestando contra Juvenal

Setor popular do Morumbi é ocupado por torcida organizada
Gazeta Press
Setor popular do Morumbi é ocupado por torcida organizada

A partir deste domingo, as arquibancadas amarelas do estádio do Morumbi se tornam um setor popular, com ingressos a R$ 10 e meia-entrada a R$ 5. É neste setor que ficam as torcidas organizadas do São Paulo que vêm protestando e pedindo a saída do presidente Juvenal Juvêncio do poder.

Leia também:  Torcida protesta, mas Juvenal diz que são-paulinos querem que ele fique

Segundo a empresa responsável pelas vendas virtuais de ingressos contratada pelo São Paulo, a decisão de baratear os ingressos não está ligada a esses recentes protestos, intensificados depois da derrota por 4 a 3 para o Atlético-GO.

Leia também:  São-paulinos chamam Juvenal de "cachaceiro mercenário" em protesto

"A Zetks, empresa responsável pelas vendas virtuais do clube, explica que o setor promocional não é o recinto das organizadas e a promoção tem como objetivo trazer mais torcedores ao estádio, visando a um aumento de aproximadamente 65% do público para os próximos jogos", informou a Zetks em nota oficial.

A acusação de benefício aos protestantes para diminuir as cobranças sobre o presidente são-paulino foi feita por conselheiros do clube. No domingo, boa parte do público de 33.376 pagantes presentes na volta de Rogério Ceni ficou em frente ao portão principal do Morumbi para chamar Juvenal de "cachaceiro que só pensa em dinheiro" , entre palavrões.

Oficialmente, contudo, a ideia do setor popular é aumentar o público presente no estádio são-paulino e é uma das promoções e incentivos ao torcedor preparados para isso. A maior esperança é o retorno de Rogério Ceni - na goleada sobre o Flamengo, foi o recorde no Morumbi neste Brasileiro. A expectativa é ter sempre mais de 25 mil pagantes nas partidas.

Aparentemente, nenhuma medida seria capaz de diminuir as cobranças sobre Juvenal Juvêncio, que promete cumprir seu mandato até 2014 e já declarou que o "verdadeiro são-paulino" não quer que ele saia do poder. A única maneira de amenizar os problemas de relacionamento, aparentemente, é a conquista do Brasileiro ou da Sul-americana até dezembro.

A pressão sobre o mandatário tem crescido à medida que os resultados não aparecem. O dirigente é responsabilizado principalmente pela maior organizada do clube pelo jejum de títulos desde o Brasileiro de 2008 - o Santos campeão paulista, o Corinthians campeão da Libertadores e o Palmeiras campeão da Copa do Brasil neste ano só aumentaram a indignação.

Confira a íntegra da nota da Zetks sobre o setor popular no Morumbi:

"Com o retorno de Rogério Ceni e uma vitória significativa contra o Flamengo, o São Paulo espera aumentar o público presente no Morumbi, realizando promoções e incentivo ao torcedor.

O setor popular, recém-criado pelo clube, vende ingressos à RS10 para o torcedor que quiser assistir aos jogos nas arquibancadas amarelas. Juvenal Juvêncio chegou a ser atacado por membros da diretoria que acreditam que as torcidas organizadas são-paulinas se beneficiariam com essa promoção, já que ambos têm um bom relacionamento.

A Zetks, empresa responsável pelas vendas virtuais do clube, explica que o setor promocional não é o recinto das organizadas e a promoção tem como objetivo trazer mais torcedores ao estádio, visando a um aumento de aproximadamente 65% do público para os próximos jogos.

Na última partida contra o Flamengo, o São Paulo teve 33.376 mil torcedores nas arquibancadas, maior público do Morumbi no Brasileirão deste ano e conseguiu uma vitória por 4x1. Com a volta de Rogério Ceni, a expectativa é que o público se mantenha acima de 25 mil."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.