Tamanho do texto

Jogador do Manchester United terá que responder à acusação por conta de comentários no Twitter

O zagueiro Rio Ferdinand , do Manchester United , foi acusado nesta segunda-feira pela Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) de agir com conduta imprópria e racista contra o lateral-esquerdo Ashley Cole, do Chelsea, por meio de comentários postados em sua página no Twitter.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

A entidade que comanda o futebol inglês informou, através de nota em seu site oficial, que o defensor "agiu de forma que era imprópria e/ou colocou o jogo em descrédito ao fazer comentários que incluíram uma referência à origem ética e/ou de cor e/ou de raça".

Rio Ferdinand está sendo acusado por comentários racistas
Reuters
Rio Ferdinand está sendo acusado por comentários racistas

A FA avisou também que Ferdinand tem até a próxima quinta-feira para responder à acusação contra ele. O jogador acabou entrando na mira da entidade após apoiar um comentário feito por um usuário do Twitter que comparou Ashley Cole a um "Choc Ice", uma tradicional sobremesa gelada que conta com recheio de baunilha e cobertura de chocolate.

Leia: Vinícola argentina lança linha de vinhos e espumantes de Messi

O termo "Choc Ice" serviu para dizer que Cole seria preto por fora e branco por dentro, após o jogador, que é negro, aparecer como testemunha durante um julgamento no qual ajudou a defender John Terry, seu companheiro de Chelsea. Na ocasião, o capitão do time foi acusado de ter insultado racialmente o irmão de Ferdinand, Anton, que é zagueiro do Queens Park Rangers, durante uma partida do Campeonato Inglês, realizada em outubro do ano passado.

E ainda: Zidane faz curso de treinador e ganha emprego no Real Madrid

No final das contas, Terry foi inocentado no dia 13 deste mês da acusação de racismo pelo Tribunal de Westminster, mas a FA anunciou na última sexta-feira que manteve a acusação contra o zagueiro. A entidade disse que analisou todas as evidências do caso e considerou que ele cometeu, de fato, um delito racial. Por causa desta polêmica, o defensor acabou perdendo o posto de capitão da seleção inglesa.