Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Luis Fabiano deixa o campo sem sorrisos, mas diz amar o São Paulo

Em atrito com a principal facção organizada, herói da goleada sobre o Flamengo procurou comemorar com torcedores 'comuns'

Gazeta |

Ao final da goleada por 4 a 1 sobre o Flamengo, todos os jogadores do São Paulo que estavam em campo, incluindo Rogério Ceni, se juntaram para erguer as mãos e saudar os mais de 30 mil são-paulinos presentes no Morumbi. A exceção era exatamente o principal atleta do jogo. Autor de dois gols, Luis Fabiano caminhou com expressão fechada aos vestiários.

Comente esta notícia e deixe seu recado para outros torcedores

No fim do primeiro tempo, segundos após ter colocado a bola nas redes pela primeira vez, o camisa 9 se recusou a dar entrevistas. No encerramento da partida, o centroavante, que teve outra cabeçada certeira aos 14 minutos do segundo tempo, ressaltou o apoio recebido, mesmo em meio a gritos de “pipoqueiro” em seu último jogo, na derrota para o Vasco, no Morumbi, há 11 dias.

Vipcomm
Luis Fabiano comemora com os companheiros de São Paulo

“Independentemente do ocorrido contra o Vasco, a maioria da torcida ainda acredita em mim e é nisso que tenho que acreditar”, afirmou o jogador. Ele deixou claro até nas comemorações o seu desentendimento com a principal organizada do clube: ficando só em direção à área das arquibancada que já começou o jogo cantando seu nome, no primeiro gol, estirou a camisa no chão e beijou o símbolo são-paulino.

Responsável também pela assistência do último gol, de Jadson, o camisa 9 jurou amor ao clube. “Não entro chateado em campo, entro para fazer o meu melhor, o meu papel. Entrei concentrado naquilo que tinha que fazer independentemente de qualquer coisa. É amor pelo São Paulo e respeito à camisa.”

A amigos, o presidente Juvenal Juvêncio tem admitido apreensão em relação à permanência do atleta, que custou R$ 17,5 milhões para deixar o Sevilla em março do ano passado e, atrapalhado por lesão, demorou sete meses para reestrear. O centroavante já havia admito repensar sua situação no clube após ser chamado de “pipoqueiro” e diz ter propostas para sair, dando a entender que só fica porque quer.

No final do jogo deste domingo, todos os torcedores, incluindo os organizados que o chamam de “pipoqueiro” desde 2004, entoaram “Luis Fabiano”. Mas, logo depois de seu segundo gol, a organizada enalteceu Ademilson, que brigou para dar a bola a Cortez, responsável pelo cruzamento preciso ao centroavante.

Ao ser questionado sobre não sorrir, o artilheiro desconversou. “Estou feliz, estou feliz. Estão todos de parabéns pela luta e dedicação. O time foi guerreiro, aplicado, teve vontade de jogar futebol. É isso que a torcida espera: vontade. Quando tem vontade, até perdendo eles reconhecem.”

E é empenho que o atacante, capitão até a volta de Rogério Ceni, cobra dos colegas. “Tivemos vontade de jogar. É lógico que estava faltando isso. Quando o resultado não vem, é porque falta alguma coisa e buscávamos o que faltava. Precisávamos dar uma resposta depois do jogo de quarta-feira e demos”, comemorou, lembrando da derrota por 4 a 3 para o Atlético-GO, quando desfalcou o time por contratura na coxa esquerda - antes de seu primeiro gol neste domingo, chegou a se alongar muito e recusar atendimento médico.

Veja fotos dos jogos deste domingo pelo Brasileirão


Leia tudo sobre: São PauloBrasileirão 2012Luis Fabiano

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG