Dirigente teme que após os quase quatro anos preso, brasileiro não volte mais a jogar futebol

A sentença de três anos e nove meses de prisão dada ao zagueiro Breno , acusado de colocar fogo em sua própria casa , causou contrariedade no Bayern de Munique . Uli Hoeness, presidente do clube alemão, falou sobre o caso:

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

“A sentença deve punir alguém, mas neste caso é quase uma sentença de prisão perpétua. Tirar seu sustento durante todo esse tempo por este crime, que para mim não está provado, é absolutamente incompreensível”, disse ao jornal Bild .

A avaliação do dirigente, que também foi jogador, campeão do mundo pela seleção da Alemanha em 1974, é que o tempo parado pode acabar com a carreira do brasileiro.

Veja a galeria de fotos da carreira de Breno:

“Não sei se é preciso realmente fazer uma distinção entre um pedreiro, que pode continuar com sua profissão quando sair novamente, e um jovem futebolista, que não pode fazer absolutamente nada além de jogar futebol”, completou.

O ex-jogador do São Paulo está com 22 anos. Após a conclusão da pena, ele será deportado para o Brasil.

    Leia tudo sobre: bayern de munique
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.