Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Comissão de ética da Fifa promete investigações amplas sobre corrupção

Promotor Michael Garcia já está analisando documentação do caso ISL, que envolve os brasileiros Ricardo Teixeira e João Havelange

iG São Paulo | - Atualizada às

O promotor Michael Garcia, da nova Comissão de ética da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados) prometeu nesta sexta-feira que todas as acusações de corrupção no mundo do futebol serão investigadas, e que qualquer dirigente ou torcedor pode sugerir casos para a entidade máxima do futebol apurar. "Se há conduta no passado que justifique uma investigação, vou fazê-la", disse. "Não existem limitações sobre o que vamos olhar".

Você acredita que a Fifa conseguirá eliminar a corrupção no futebol? Opine!

A afirmação foi feita na primeira visita formal de Garcia à sede da Fifa em Zurique (Suíça), após o norte-americano ser nomeado para a nova Comissão de ética, criada para tentar restaurar a imagem da entidade, atingida nos últimos anos por escândalos envolvendo subornos e compra de votos.

RELEMBRE: Havelange e Teixeira receberam até R$ 43 milhões em suborno

Reuters
Michael Garcia, promotor da Comissão de ética

Os últimos dias mostraram que Michael Garcia deve ter muito trabalho, já que conselheiros anticorrupção querem que ele investigue o processo de escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022, e os políticos europeus desejam que ele examine a eleição de Joseph Blatter para mais um mandato presidencial no ano passado.

VEJA: Fifa reage à decisão e suspende catariano acusado de compra de votos

Ele pediu para que qualquer "reclamação crível de corrupção" seja feita e sugeriu a criação de um sistema para que sejam feitas denúncias de forma secreta. "Eu não vejo nenhuma limitação em denúncias, ou de onde vão vir as reclamações", disse. "Eu penso que é minha obrigação e responsabilidade fazer isto".

MAIS: "Não pode seguir como presidente de honra", diz Blatter sobre Havelange

Na quinta-feira, Garcia abriu seu primeiro caso ao suspender por 90 dias o catariano Mohammed Bin Hammam em razão de acusações de corrupção sobre a campanha para a eleição presidencial da Fifa, no ano passado, e do período em que comandou a Confederação Asiática de Futebol. Ele também recebeu documentação de Blatter sobre o escândalo em que a extinta empresa de marketing ISL pagou propina a Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e João Havelange, presidente de honra da Fifa.

LEIA: Blatter recua e diz que Alemanha não comprou a Copa do Mundo de 2006

Garcia estava acompanhado, nesta sexta-feira, pelo juiz alemão Joackim Eckert, que será o responsável por liderar os julgamentos da nova comissão de ética da Fifa. Ele prometeu que não receberá nenhuma influência. "Nós não vamos aceitar qualquer influência sendo exercida sobre nós", disse.

Leia tudo sobre: Futebol MundialFifaCorrupção

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG