Time levou cinco gols nos últimos três jogos, mas goleiro pede ajuda de todos para organizar a defesa

Pouco antes de Rogério Ceni aparecer para dar sua primeira entrevista coletiva no ano, Ney Franco falava no CT da Barra Funda da esperança que tem na volta do goleiro para arrumar uma defesa que levou quatro gols do Atlético-GO só no primeiro tempo, na derrota de quarta-feira. O capitão, porém, já avisou que pode, no máximo, ajudar. E solicitou participação de todos conversando em campo.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Não sou o salvador da pátria, pelo amor de Deus. Só estou me juntando a um grupo que perdeu vários jogadores", disse o camisa 01, citando desfalques como Lucas e Bruno Uvini, na seleção brasileira, Wellington, Cañete e Fabrício, machucados, além de Douglas e Casemiro, suspensos da partida de domingo, contra o Flamengo.

Leia mais: Ceni diz que lesão foi o período mais longo e fala com emoção sobre o retorno

É exatamente nesta voz que o técnico deposita sua confiança. "Além de exercer um papel de liderança, com perfil de capitão, o Rogério entende muita a parta tática do jogo. E se comunica muito bem, faz muito bem a orientação para zagueiros e alas. Está voltando em um bom momento", comemorou Ney Franco.

Rogério Ceni estreará neste Campeonato Brasileiro contra o Flamengo
Vipcomm
Rogério Ceni estreará neste Campeonato Brasileiro contra o Flamengo

Rogério Ceni concorda na importância da conversa. "Futebol se ganha muito na garganta. Falar é uma coisa importante", afirmou, emendando, porém, outro aviso. "Minha volta não garante absolutamente nada. Se não correr, marcar, fazer pressão, se entregar, conquistar e trazer o torcedor, o time não ganha jogo. Aí, não adianta nada a minha experiência. Temos que fazer acontecer no jogo."

Veja mais: Ney Franco confirma a estreia de Rogério Ceni na temporada

A cobrança é por maior participação de todos. Ao apontar bons zagueiros no elenco, o goleiro citou Rhodolfo, mas lembrou que atletas como Lugano, Miranda, Alex Silva, André Dias e Breno, defensores lembrados com saudosismo pelo torcedor, tinham o suporte dos volantes, meias e atacantes na marcação para serem destaques entre 2005 e 2008 nos títulos do Mundial, da Libertadores e no tricampeonato brasileiro.

E ainda: Luis Fabiano treina e deve reforçar o São Paulo contra o Flamengo

"Quanto mais velho, maior é a capacidade de organização. A visão de jogo da minha posição é muito privilegiada, é a real do jogo, então se faz necessário posicionar bem a defesa. Mas não pensem que orientar a defesa faz não tomar gol. É desde lá na frente marcando, isso que dá consistência ao time", opinou o veterano.

Veja também: Juvenal diz conhecer futebol e rebate Leão

Rogério Ceni assume sua responsabilidade. E quer que todos façam o mesmo. "Temos ótimos jogadores, mas precisamos fazer acontecer, tentar colocar tudo em prática. Não vou resolver os problemas do São Paulo , vou tentar ajudar. Mesmo porque sou goleiro, só de vez em quando vou lá na frente para ter chance de fazer gol", reforçou o maior goleiro-artilheiro da história do futebol.

Ajude o time do São Paulo a subir no ranking da Torcida Virtual

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.