Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Corinthians abre CT para Gaviões da Fiel e Tite recebe placa de agradecimento

Torcida organizada reconheceu erros no passado e agradeceu por feito na Libertadores

iG São Paulo | - Atualizada às

O Corinthians abriu as portas do seu centro de treinamento no último dia 20 de julho, véspera da partida contra a Portuguesa, para membros das torcidas organizadas do clube agradecerem elenco e comissão técnica pelo título da Libertadores deste ano. Em discurso para Tite e para os jogadores, o presidente da Gaviões da Fiel, Antônio Alan Souza Silva, conhecido como Donizete, reconheceu excessos na cobrança feita torcida após últimas eliminações na competição e o erro da torcida em ter pedido pela demissão de Tite após a queda para o Tolima na Libertadores de 2011. 

"Um dia pedimos para o Tite sair e hoje a gente reconhece como foi importante ele ter ficado, sabe como foi importante o Andrés (Sanchez) ter batido o pé e falado não. 'Vocês são loucos de destruir um trabalho que veio lá atrás'. Não éramos loucos mesmo. Nós íamos fazer a maior besteira das nossas vidas. Nós escutamos, acertou em segurar o Tite e agora deu no que deu. Conquistamos a América", disse Donizete, ao lado do treinador corintiano.

Veja também: Mais de 10 mil torcedores já visitaram clube para ver taça da Libertadores

Em 2011, Tite teve seu carro apedrejado por alguns membros de torcidas organizadas que foram ao CT do clube para protestar contra a eliminação para o Tolima. Após a perda da final do Paulistão e durante queda de rendimento da equipe no Brasileirão, também foi pressionado para sair em protestos no CT. Agora, ele recebeu a torcida em situação bem diferente.

"A grandeza está no reconhecimento, no reconduzir. Quando vocês reconhecem todo o trabalho, isso é grandeza. E a maior alegria que a gente tem, pode ter certeza, é dividir alegrias. Se vocês estão felizes, eu estou feliz", disse Tite aos torcedores.

A Gaviões está proibida de frequentar os estádios paulistas por conta das brigas e mortes em que se envolveram corintianos e palmeirenses em março antes do clássico válido pelo Campeonato Paulista. O presidente da torcida, Donizete, não pode frequentar estádios e precisa se apresentar às autoridades militares em dias de jogos do clube.

Leia tudo sobre: corinthianstorcida organizada

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG