O presidente da Fifa insinuou que os alemães "compraram" o direito de sediar a Copa de 2006

EFE

O principal responsável do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2006, Franz Beckenbauer, rejeitou nesta segunda-feira as insinuações do presidente da Fifa, Joseph Blatter, de que a Alemanha "comprou" a oportunidade de sediar o torneio, afirmação que despertou um vendaval no meio futebolístico.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Beckenbauer negou as insinuações de Blatter sobre a Copa de 2006
AP
Beckenbauer negou as insinuações de Blatter sobre a Copa de 2006

"Me soam completamente incompreensíveis as declarações de Sepp Blatter. O que foi decisivo (para a escolha da Alemanha como sede) foi o voto fechado dos europeus a nosso favor", afirmou o "Kaiser" ao jornal "Bild".

Leia mais:  Blatter diz que sabia de escândalo da ISL, mas não podia agir

Em entrevista divulgada ontem pelo jornal suíço "SonntagsBlick", Blatter insinuou que teriam havido "irregularidades" na eleição que definiu a Alemanha como sede da Copa. "Mundiais comprados... Lembrança que no momento da eleição alguém saiu. Assim, ao invés de 10 a 10, ficamos em 10 a 9 a favor da Alemanha. Me alegrei, porque não foi preciso um voto de desempate", disse Blatter, citando a fase final da votação, disputada entre as candidaturas alemã e sul-africana.

Confira ainda:  "Não pode seguir como presidente de honra", diz Blatter sobre Havelange

Ao ser questionado se a ausência de um dos membros da Fifa na reta final da eleição poderia representar um caso de corrupção, o presidente da entidade afirmou: "não, não suponho nada. O constato".

O secretário-geral da Federação Alemã de Futebol (DFB), Helmut Sandrock, qualificou ontem as insinuações como "nebulosas", com propósito de "desviar a atenção" sobre outros assuntos atualmente investigados. Blatter está sob fortes pressões, especialmente da Alemanha, por não ter atuado com suficiente contundência contra a corrupção dentro da Fifa . O presidente da Liga Alemã, Reinhard Rauball, em uma recente entrevista por telefone, pediu a renúncia de Blatter, enquanto o da Federação Alemã de Futebol (DFB), Wolfgang Niersbach, afirmou que a Fifa está "consternada" pelos supostos casos de subornos. 

E mais:  Havelange e Teixeira receberam até R$ 43 milhões em suborno

As tensões entre o presidente da Fifa e a Alemanha se acentuaram após as revelações de que João Havelange e Ricardo Teixeira são acusados de recebimento de suborno da empresa ISL em um processo na justiça suíça, e que Blatter teria conhecimento desse caso de corrupção.

Blatter insinuou que a Alemanha
EFE
Blatter insinuou que a Alemanha "comprou" o direito de sediar a Copa de 2006

O próprio Blatter admitiu, em recente entrevista ao site da Fifa, que ele é o anônimo "P1" que aparece no texto do processo aberto pela promotoria do cantão suíço de Zug por suspeita de fraude e que foi divulgado pela própria entidade. O esclarecimento sobre a identidade de "P1" por Blatter aconteceu após a resolução do tribunal suíço que autorizou a divulgação do auto de arquivamento do caso ISL. "P1" (Blatter) aparece citado em três ocasiões no documento tornado público pela Fifa na quarta-feira passada.

O texto revela que Teixeira recebeu da ISL pelo menos 12,74 milhões de francos suíços (US$ 13 milhões no câmbio atual) entre 1992 e 1997, e Havelange, 1,5 milhão de francos suíços (US$ 1,53 milhão) em 1997. O documento estava sob sigilo desde junho de 2010, pouco depois de a promotoria, a Fifa e os dois dirigentes brasileiros terem feito um acordo para arquivar o caso. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.