Ex-jogador elogia time do Corinthians e acredita no título nesta quarta-feira, mas exalta equipe de 2000. "É bem melhor que a atual. É como comparar as seleções de 1982 e 1994"

Marcelinho também ganhou no Corinthians quatro Paulistas, dois Brasileiros e uma Copa do Brasil
Gazeta Press
Marcelinho também ganhou no Corinthians quatro Paulistas, dois Brasileiros e uma Copa do Brasil

No dia 7 de junho de 2000, Marcelinho Carioca fez seu último jogo pelo Corinthians na Copa Libertadores . No momento em que o goleiro Marcos se atirava no gramado para comemorar a defesa de pênalti e a classificação do Palmeiras , ele era consolado pelos colegas Ricardinho e João Carlos.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

"Infelizmente fomos eliminados porque nosso camisa 7 perdeu o pênalti", ri o ex-jogador. Aquele foi seu 31º jogo na Libertadores. Até hoje, nenhum outro jogador atuou mais do que ele, que, além de 2000, disputou as edições de 1996 e 1999. Ricardinho e Vampeta, da mesma geração, foram os que mais se aproximaram de Marcelinho. Do atual elenco, são Chicão e Ralf , que fazem a 24ª partida na noite desta quarta-feira, diante do Boca Juniors , na primeira final do clube na história da competição.

Leia mais: 5 times já foram campeões invictos da Libertadores. Corinthians pode ser o 6º

"Nem sabia disso. Eu fico feliz, porque tentei fazer o melhor para ajudar a conquistar o título. Infelizmente não conseguimos", comenta o eterno ídolo corintiano, cuja passagem pelo Parque São Jorge é marcada por muitas conquistas (Copa do Brasil, Campeonato Paulista, Brasileiro e Mundial), mas também pelo pênalti desperdiçado na histórica semifinal de 12 anos atrás.Uma eventual conquista, na opinião de Marcelinho, seria sua redenção.

Veja também: Corinthians e Boca Juniors reescrevem história da Libertadores no Pacaembu

"O Corinthians vai cravar, vai ser campeão com gol do Chicão ou do Leandro Castán em uma jogada de bola parada. E vão esquecer o meu pênalti e a eliminação de 1999 (também frente ao Palmeiras, nas quartas de final). Não perdemos o título, mas a vaga para a final. Quem garante que ganharíamos do Boca (a equipe de Buenos Aires venceu o Palmeiras na decisão de 2000)?", defende.

E ainda: Em treino no Pacaembu, Boca é recebido com bombas e gritos de 'Vai, Corinthians'

O otimismo do do ex-jogador é resultado da competitiva equipe comandada por Tite. Em 13 jogos nesta edição, são sete vitórias e cinco empates. Além de estar invicta, ela sofreu somente quatro gols. "É um conjunto, sem individualismos. Mérito do treinador de ter blindado os atletas. Esse time é muito parecido com o nosso de 95. Ganhamos o Paulistão em cima do Palmeiras da Parmalat. O time de 2000 que venceu o Mundial é bem melhor do que o atual, mas são momentos, o acaso. É como as seleções brasileiras de 82 e 94. A de 82 era melhor, mas não foi a campeã da Copa do Mundo", compara.

Apesar de torcer pelo inédito título nesta quarta-feira, Marcelinho entende que a conquista do Mundial - mesmo sem Libertadores - é mais valiosa do que o torneio continental: "É lógico! Queria ter também o título da Libertadores, mas não trocaria essa taça pela do Mundial".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.