Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Romarinho é herói de novo e Corinthians  conquista empate na ida contra o Boca

Atacante entrou no segundo tempo e marcou o gol do 1 a 1 na primeira partida da final da Libertadores

iG São Paulo | - Atualizada às

O Corinthians manteve-se invicto, conquistou um empate heróico com o mais novo ídolo da fiel torcida e voltou com ótimo resultado para o jogo da volta da final da Libertadores contra o Boca Juniors . Romarinho, protagonista improvável, empatou, aos 40 minutos do segundo tempo, um jogo que caminhava para uma vitória simples do Boca. Não foi assim. Em três dias, o ex-jogador do Bragantino passou de desconhecido a herói de uma torcida. Três gols em dois jogos. Já havia brilhado contra o Palmeiras no domingo.

Infográfico: Veja a história do Corinthians na Libertadores

Recuado no segundo tempo, o Corinthians saiu atrás aos 28 minutos. Tudo sinalizava para que o time paulista conhecesse seu primeiro revés no torneio sul-americano, mas o herói corintiano saiu do banco para fazer história. 

Leia mais: Romarinho comemora gol no primeiro toque na bola: “Brilhou minha estrela”

Danilo não estava bem. Tite o sacou já no quarto final de jogo e Romarinho entrou no seu lugar. No seu primeiro toque na bola, ele igualou o jogo que deixa tudo aberto para a volta, dia 4 de julho no Pacaembu. Não há vantagem pelo gol fora marcado pelo Corinthians. Quem ganhar leva. O sonho do título corintiano está mais vivo do que nunca. A fiel torcida agradece a Romarinho.

O jogo
Barulho, fogos, hostilidade... o clima da Bombonera, totalmente desfavorável ao Corinthians, não foi sentido pelo time paulista nos primeiros minutos de jogo. Com bom posicionamento, sem se intimidar com os quase 50 mil de boquenses alentando em seus ouvidos, os jogadores de Tite controlaram os nervos naturalmente à flor da pele naquelas circunstâncias.

Confira ainda: Castán diz que não sentiu a pressão da Bombonera e exalta força do Pacaembu

O Boca, matreiro, com sua décima final nas costas, tendo jogadores como Riquelme e Schiavi jogando a quinta final, pouco ameaçava, mas também não dava espaços. O time argentino transmitia clara noção de que por mais que a casa fosse sua, não havia necessidade de lançar-se ao ataque de qualquer maneira.

AP
Paulinho passa pela marcação de Schiavi no primeiro tempo

Assim, o Corinthians ameaçou o Boca duas vezes em chutes de fora da área. Paulinho e Danilo obrigaram Orión a trabalhar. Chegou a tocar a bola e assim envolver o Boca, mas não conseguiu criar boas chances de dentro da área. O time da casa ameaçava principalmente nas tabelas entre Mouche e Silva no ataque.

E mais: Alex vê Corinthians perto do título e agradece Romarinho

Na melhor chance do Boca, aos 34 minutos, Riquelme tocou para Mouche na linha de fundo. O atacante cruzou e Santiago Silva tentou uma bicicleta. Paulinho impediu a bola tivesse o gol como destino.

Com muito estudo e poucas chances, o primeiro tempo terminou com o Boca tendo 56% de posse de bola contra 44% do Corinthians. Foram quatro finalizações para cada lado, mas Cássio não fez nenhuma defesa. O Corinthians acertou duas vezes o alvo.

No apito, Enrique Osses controlou bem o jogo, mas poupou o lateral-direito Roncaglia de um cartão vermelho. O argentino fez duas faltas para cartão amarelo e o juiz só o puniu uma vez. Ainda no primeiro tempo, com dores na coxa, Jorge Henrique deu lugar a Liedson.

Veja também: Final da Libertadores domina o Twitter por quase duas horas

AP
Santiago Silva tenta bicicleta, mas Alessandro corta



A postura das duas equipes no início do segundo tempo foi bem diferente da do início do jogo. O Boca logo se impôs e controlou todas as ações nos primeiros minutos. Sem conseguir trocar dois passes, o Corinthians atraiu o Boca para seu campo e usou o chutão para o ataque como única forma de se livrar da pressão.

Sem nenhuma jogada criativa, com Danilo e Alex pouco acionados e Liedson e Emerson isolados, o Corinthians foi presa fácil para o toque de bola do Boca. Riquelme, que havia feito primeiro tempo irregular, acertou bom chute rente ao travessão aos quatro minutos. Aos 13, tabelou com Mouche e deixou o atacante na cara do gol. Ele chutou mal e Cássio, bem posicionado, fez a defesa.

O Corinthians só conseguiu aparecer no ataque do Boca aos 14 e ali houve um encontro entre Schiavi e Liedson dentro da área. O zagueiro empurrou o atacante pelas costas, mas o Corinthians só teve escanteio. Aos 20 minutos, a segunda chance corintiana apareceu quando Alex cruzou e Danilo cabeceou por cima da meta de Orión.

AFP
Romarinho se tornou o herói corintiano na noite desta quarta

Era muito pouco e o gol do Boca acabou saindo. Roncaglia, que poderia ter sido expulso no primeiro tempo, se posicionou bem na área aos 28 minutos. Após cobrança de escanteio, Santiago cabeceou, Chicão salvou com a mão e Roncaglia pegou o rebote antes de estufar a rede.

Tite tentou mudar a história do jogo sacando Danilo e apostando em Romarinho, novo herói da torcida corintiana após os dois gols marcados contra o Palmeiras. E a estrela do garoto de 21 anos brilhou mais uma vez. Aos 40 minutos, Emerson lançou o atacante e no seu primeiro toque na bola, por cima de Orión, empatou o jogo para o Corinthians.

A sorte havia virado para o Corinthians. Aos 45 minutos, Viatri, que entrara no lugar de Santiago Silva, acertou a trave numa cabeçada à queima roupa. No rebote, Cvitanich, na pequena área, não dominou a bola que saiu mansa ao lado da trave direita de Cássio. Um lance incrível que só coroou o grande resultado conquistado pelo Corinthians. Agora é no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA - BOCA JUNIORS 1 x 1 CORINTHIANS
Local: Estádio "La Bombonera", em Buenos Aires
Data: 27 de junho de 2012, quarta-feira
Horário: 22h
Árbitro: Enrique Osses (CHI)
Assistentes: Francisco Mondria e Carlos Astroza (ambos do Chile)

Cartões amarelos: Roncaglia, Riquelme (BOC); Chicão (COR)

Gol: Roncaglia, aos 28 e Romarinho aos 40 minutos do 2º tempo.

BOCA JUNIORS: Orión; Roncaglia, Schiavi, Caruzzo e Clemente Rodríguez; Ledesma, Erviti, Somoza e Riquelme; Mouche e Santiago Silva (Viatri). Técnico: Julio Cesar Falcioni

CORINTHIANS: Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Alex e Danilo (Romarinho); Emerson e Jorge Henrique (Liedson). Técnico: Tite

Leia tudo sobre: corinthiansboca juniorslibertadores 2012

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG