Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Fifa defende uso de aeroportos militares durante a Copa do Mundo de 2014

Em visita à Arena Pernambuco, secretário-geral da Fifa não confirmou o estádio na Copa das Confederações 2013

Agência Estado | - Atualizada às

Agência Estado

O secretário-geral da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados), Jérome Valcke, sugeriu nesta terça-feira, no Recife, o uso de aeroportos militares no caso de haver insuficiência de aeroportos para atender à demanda durante a Copa do Mundo de 2014. Ele lembrou que "nada funciona cem por cento o tempo todo" e assegurou que a entidade máxima do futebol sempre busca soluções para os problemas que podem ocorrer.

O que você está achando da organização da Copa 2014 até agora? Comente!

"A ideia é superar qualquer obstáculo", afirmou, ao observar que na Copa da África do Sul a Fifa comprou escadas para sanar uma dificuldade constatada em um dos aeroportos, onde não havia meios para levar as pessoas do avião para o aeroporto.

VEJA TAMBÉM: Copa de 2014 será "pesadelo logístico", diz jornal britânico

O secretário-geral concedeu entrevista no Palácio do Campo das Princesas, depois de ter visitado a Arena Pernambuco, estádio que está sendo construído em São Lourenço da Mata, a 19 quilômetros do Recife. Com 43% das obras executadas, Valcke observou que "ainda faltam 57%, ainda há muito trabalho a ser feito", mas demonstrou confiança que o estádio, com capacidade para 46 mil pessoas, irá abrigar a Copa das Confederações, em junho de 2013. A cidade já consta das seis sedes do evento, mas a decisão só será oficializada em novembro.

AFP
Jérome Valcke (dir) caminha pelas obras da Arena Pernambuco ao lado do artista plástico Romero Britto

"Quando digo que há muito o que fazer, isto envolve estradas, estacionamento, espaço para a mídia", destacou. "Uma decisão não pode ser tomada a partir das arquibancadas ou porque vai ser o estádio mais bonito do mundo. Envolve mobilidade, hospedagem". Cauteloso, depois da polêmica criada com sua declaração de que o Brasil precisava de "um chute no traseiro" para desencalhar as obras da Copa, o secretário-geral preferiu não comentar nem comparar atrasos entre as obras que estão sendo realizadas no Brasil e que possam preocupar a Fifa.

E MAIS: Juiz determina interdição do Beira-Rio e Inter terá que buscar local para jogar

"Há um processo contínuo na construção, algo pode estar adiantado agora vir a atrasar", afirmou ele, ao observar que a preocupação não é se limita às obras. "É zelar por tudo o que esteja entorno, para que fique pronto". Valcke também não quis antecipar o preço dos ingressos da Copa das Confederações, que deverão começar a ser comercializados no final do ano. Apenas adiantou que "não será muito diferente da África do Sul".

Leia tudo sobre: Futebol MundialCopa 2014Jeróme ValckeFifaCBFEstádiosAeroportos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG